O timbre

Publicado por 8.2.21

 

Sinopse: A humanidade alcançou um mundo ideal, em que não há fome, doenças, guerras, miséria… nem mesmo a morte. Mas, mesmo com todo o esforço da inteligência artificial da Nimbo-Cúmulo, parece que alguns problemas humanos, como a corrupção e a sede de poder, são igualmente imortais. Desde que o ceifador Goddard começou a ganhar seguidores da nova ordem, entusiastas do prazer de matar, a Nimbo-Cúmulo decidiu se silenciar, deixando o mundo cada vez mais de volta às mãos dos humanos.
Depois de três anos desde que Citra e Rowan desapareceram e Perdura afundou, parece que não existe mais nada no caminho de Goddard rumo à dominação absoluta da Ceifa — e do mundo. Mas reverberações da Grande Ressonância ainda estremecem o planeta, e uma pergunta permanece: será que sobrou alguém capaz de detê-lo?
A resposta talvez esteja na nova e misteriosa tríade de tonistas: o Tom, o Timbre e a Trovoada.
Autor(a): Neal Shusterman |  Editora: Seguinte | Páginas:  | Ano: 
 Este livro faz parte da série Scythe*

Que acompanha o blog há um certo tempo já deve ter visto em algum momento o meu encantamento, nada secreto, pelos livros anteriores desta trilogia (no final do post você encontrará os links das resenhas). Já faz algumas semanas que o li, precisei esperar o tempo passar para não vir aqui, no auge de minha empolgação, bombardeá-los com spoilers.

Em O timbre o leitor encontrará uma narrativa intensa, repleta de revelações e questionamentos. Até o que sempre parecia correto passa a se tornar duvidoso, nem mesmo a grande e sábia Nimbo-Cúmulo estará completamente imune.

A ganância e a sede por vingança poderá colocar até o mais esperto sujeito diante de sua perdição. O poder tem capacidade de acentuar as características já marcantes, além de revelar o lado mais sombrio e impiedoso de quem não precisa temer a ninguém

A evolução dos personagens e suas conexões não decepcionam, trazendo à história uma trama que se completa, onde as ações e reações fazem sentido e se espelham em relações reais envolvidas por amizade, afeto, amor, lealdade e respeito.

A escrita do autor segue impecável, arrebatadora e envolvente, porém a narrativa de O timbre traz uma breve confusão no início, ao menos para mim foi um pouco complicado compreender a ordem cronológica dos fatos, visto que os capítulos alternavam em tempo e espaço distintos em alguns momentos.

Ok, fui um pouco lenta? Sim, fui, mas quando comecei a recordar os acontecimentos dos livros anteriores e pude encaixar os personagens em suas respectivas histórias, tudo fluiu e não consegui parar de ler.

A inserção de personagem com gênero fluido se mostrou extremamente necessária para o desenrolar da história. Seu envolvimento com outros personagens e sua participação na trama lhe deu uma importância merecida e digna de aplausos.

Outro ponto marcante, dentre tantos outros, é a abertura para um debate sobre o poder que a religião e a fé exercem sobre seus fiéis. Não estou condenando nenhuma prática religiosa, que fique claro, porém não podemos fechar os olhos para algumas situações mais complexas.

O autor foi magnífico ao desenvolver uma narrativa tão completa, bem amarrada e que apesar de ficcional trouxe para suas páginas críticas pertinentes à nossa sociedade. 



*Resenhas anteriores da série Scythe: 

 ► O ceifador
 ► A nuvem

0 comentários

Comentários
0 Comentários