O silêncio da casa fria

Publicado por 15.8.20

 

Sinopse: Quando Elsie perdeu o marido apenas algumas semanas após o casamento, achou que já tinha sofrido o suficiente para uma vida inteira. Praticamente sozinha em uma casa enorme e isolada, ela jamais imaginou que os companheiros silenciosos — painéis de madeira que imitavam pessoas em atividades cotidianas —, um dia, seguiriam seus movimentos com os olhinhos pintados. Muito menos que eles apareceriam por conta própria em cômodos aleatórios…


Autor(a): Laura Purcell | Editora: Darkside Books | Páginas: 288 | Ano: 2020

    Elsie cresceu em uma família não tão amorosa, mas teve muita sorte ao encontrar seu grande amor em um homem de boa família, com propriedades e dinheiro suficiente para lhe garantir todo conforto e proteção que ela sequer imaginava um dia ter, contudo algo abala gravemente seus sonhos, Rupert, seu marido, acaba falecendo durante a visita a uma antiga propriedade de família, agora Elsie, grávida e viúva, precisará lidar com seus pesadelos do passado e encarar os novos que o futuro lhe reserva.

    Sarah, única parente viva de Rupert, passa a fazer companhia para a pobre jovem viúva, ambas passam a residir na mansão antiga da família, local repleto de histórias e mortes que assombram os moradores da cidade.

    A história assume uma atmosfera sombria e é possível em certos momentos compreender o frio que invade os ambientes, algo que ultrapassa uma simples queda de temperatura proveniente do inverno e facilita o entendimento da sensação de arrepio, medo e insegurança que assombra a protagonista desta história.

    Elsie, em uma de suas caminhadas para conhecer melhor a casa, encontra uma porta trancada, sua curiosidade e teimosia a fazem insistir para adentrar no cômodo.

    Ok, você que está acostumado com histórias sombrias e filmes de terror já deve estar imaginando que seria melhor ela não abrir esta porta, você está certo! Apesar desta leve obviedade, a história se mostra envolvente ao ponto do leitor ser capaz de ignorar alguns detalhes um tanto quanto previsíveis e se dedicar a acompanhar a trama bem desenvolvida.

    Sarah e Elsie aos poucos vão conhecendo a história da família e o que realmente aconteceu naquela casa através do diário de uma antiga dona que relata sua vida naquele lugar, incluindo sua afeição inicial pelos companheiros silenciosos, figuras em madeira que representavam fielmente a imagem de um ser humano.

Fonte: nationaltrust.org.uk

    Tais companheiros são encontrados pelas jovens damas que decidem colocá-los na sala em constante evidência. As peças parecem pessoas reais e de certo modo passam a impressão de estarem vivos.

    Diversos acontecimentos estranhos acontecem desde a descoberta destes companheiros, mas seriam eles causadores de tanto transtorno ou seria apenas alucinação causada por diversos traumas vividos por Elsie? Estaria ela, no hospício, contando sua verdadeira história ou disfarçando suas dores?

    Uma história que mescla terror psicológico, com práticas de bruxaria e um suspense intenso de tirar o fôlego. 

    Aos interessados por histórias com mortes violentas, mas descritas na medida certa, com personagens capazes de instigar a dúvida no leitor e fazê-lo imaginar a verdade escondida entre as páginas, esta é uma ótima opção de leitura.


0 comentários

Comentários
0 Comentários