O ódio que você semeia

Publicado por 11.1.19

Sinopse: Starr aprendeu com os pais, ainda muito nova, como uma pessoa negra deve se comportar na frente de um policial.
Quando ela e seu amigo, Khalil, são parados por uma viatura, tudo o que Starr espera é que Khalil também conheça essas regras. Um movimento errado, uma suposição e os tiros disparam. De repente o amigo de infância da garota está no chão, coberto de sangue. Morto.
Em luto, indignada com a injustiça tão explícita que presenciou e vivendo em duas realidades tão distintas (durante o dia, estuda numa escola cara, com colegas brancos e muito ricos - no fim da aula, volta para seu bairro, periférico e negro, um gueto dominado pelas gangues e oprimido pela polícia), Starr precisa descobrir a sua voz. Precisa decidir o que fazer com o triste poder que recebeu ao ser a única testemunha de um crime que pode ter um desfecho tão injusto como seu início.
Acima de tudo Starr precisa fazer a coisa certa.
Angie Thomas, numa narrativa muito dinâmica, divertida, mas ainda assim, direta e firme, fala de racismo de uma forma nova para jovens leitores. Este é um livro que não se pode ignorar.
Autor(a): Angie Thomas | Editora: Galera Record | Páginas: 378 | Ano: 2018 - 8º edição


Starr é uma adolescente negra que mora em um bairro pobre e comandado pelo tráfico. Seu pai, Maverick, já fez parte dos King Lords, um grupo de homens perigosos e envolvidos com diversos crimes, mesmo que atualmente ele seja apenas o dono do mercadinho ainda é respeitado e temido por alguns.

Quando criança a jovem protagonista teve seu primeiro contato com a morte. Sua melhor amiga foi assassinada enquanto brincavam despreocupadas na rua. Estavam elas se divertindo como qualquer outra criança, mas toda a alegria foi brutalmente interrompida por tiros vindos de um carro desconhecido.

Este fato terrível fez com que os pais de Starr decidissem que precisariam proteger seus filhos, assim os colocaram em uma escola afastada e composta por pessoas brancas com um poder aquisitivo mais elevado. Continuariam residindo na periferia, mas ao menos as crianças teriam a oportunidade de conhecer uma realidade diferente enquanto se afastam do mundo das drogas.

"Meus pais não me criaram para ter medo da polícia, só para ficar esperta perto de policiais. Eles me disseram que não é inteligente se mexer quando um policial está de costas para você."


A passagem de Starr pela nova escola é capaz de proporcionar uma profunda reflexão no leitor, pois será possível observar de perto a dura realidade enfrentada pela protagonista. Esta precisa interpretar um papel para não ser vista com olhares carregados de pena ou desprezo. Esta dupla personalidade é cansativa, confusa e cruel, ainda mais depois que a jovem vê seu segundo melhor amigo, Khalil, ser morto por um policial que o julgou como criminoso devido à sua cor da pele.



"Só fica perguntando sobre Khalil, como se ele fosse o motivo de estar morto. Como ela disse, ele não puxou o gatilho contra ele mesmo."

Starr começa a questionar a atitude de alguns colegas que antes considerava normal. Ao sair da bolha de proteção em que seus pais a colocaram, a adolescente passa a enfrentar as situações de cabeça erguida, mesmo que em alguns momentos se sinta magoada e ferida. 

A jornada em busca de justiça para Khalil é inspiradora e faz brotar um fio de esperança, mesmo que seja angustiante ver a árdua luta de Starr por direito à voz.


" - Como eu falei, ninguém gosta de vender drogas - diz ele. - Eu odiava aquela merda. De verdade. Mas odiava ver minha mãe e minhas irmãs passarem fome, sabe?"

Nós não somos capazes de sentir a dor alheia, tão pouco conseguimos mensurar o sofrimento que as pessoas ao nosso redor sentem, porém tem algo que está ao nosso alcance e que pode amenizar todo o peso carregado por quem acaba sentindo na pele o desprezo da sociedade. Podemos usar da empatia, do respeito, do olhar crítico sobre os absurdos que vemos, como muitas outras atitudes que podem parecer pequenas, mas que fazem uma grande diferença.



"Engraçado. Os senhores de escravos também achavam que estavam fazendo diferença na vida dos negros. Que os estavam salvando do 'jeito selvagem africano'. Mesma merda, século diferente. Eu queria que as pessoas parassem de pensar que gente como eu precisa ser salva."

"O ódio que você semeia" surge para dar uma sacudida no leitor, o tirando do comodismo e do conforto proporcionado por histórias com finais felizes ou fantasiosos. Esta obra é carregada de sentimentos que sufocam ao mesmo tempo em que despertam um lado justiceiro. 


Ainda me sinto extasiada com esta história, não consegui fechar o livro e deixar para trás tudo que li, por isso fui assistir ao filme homônimo. Confesso que apesar de muito bem feito e de ter se mantido o mais fiel possível ao texto original, o longa não me conquistou da mesma forma que as páginas intensas e carregadas de ensinamentos me proporcionou.



21 comentários

Comentários
21 Comentários
  1. Ah! Eu adorei esse livro e também o filme. Fiz todo mundo em casa assistir também.
    A história com certeza trás boas reflexões.
    Quando o livro lançou vi muitos comentários positivos, mas só fui ler final do ano passado.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde!

    Não conhecia o livro e nem o filme, vou procurar saber mais a respeito porque amei o tema. É tão triste ver isso, essa realidade que muitos ainda enfrentam, e que infelizmente não é só ficção. Vai para a minha lista de leituras.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Alê. Tudo bem?
    Eu estou louca por esse livro desde o lançamento dele, também estou morrendo de curiosidade com o filme! Adorei poder conferir a sua opinião com a leitura, eu acho que é um livro que eu vou gostar bastante.

    ResponderExcluir
  4. Oiii, Alessandra, tudo bem?
    Eu ainda não tive a oportunidade de ler esse livro e digo pra ti que sou louca para tê-lo, não sabia que tinha um filme e super anotei o nome, quem sabe até acabe assistindo antes por ser curiosa :( mas amei demais!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu estou doida por esse livro, ele está na minha lista de desejados há algum tempo e espero ler em breve.
    Estou ansiosa para assistir o filme, mas quero ler primeiro. Rs Estou nessa indecisão.
    Adorei conhecer sua opinião, beijos!

    ResponderExcluir
  6. Olá Alessandra, tudo bem??

    Li muito sobre esse livro e as polemicas em relação ao filme, mas ainda não tive oportunidade de ler ou assistir.
    Acho maravilhoso quando os autores usam de seus livros para nos ensinar um pouco mais de empatia. Histórias como essas servem para nos tirar do nosso eixo e nos tornar melhores! Gostei da sua resenha, me deixou curiosa para ler a história!!

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Eu amei muuuuito esse livro! Estou super ansiosa pra assistir ao filme! Acredito que essa é o tipo de história que todos deveriam conhecer. O ser humano ainda precisa aprender muita coisa!

    ResponderExcluir
  8. Oi Alê, estou pensando seriamente em ler ele para o desafio do Skoob, porque a cada resenha que leio fico mais interessada.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  9. Todo mundo fala tão bem desse livro que a minha vontade de lê-lo só aumenta! Espero conseguir pegá-lo para ler esse ano, pois preciso conhecer a história com os meus próprios olhos.

    www.sonhandoatravesdepalavras.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oii, tudo bem?

    Nossa, meu amigo já tinha me falado sobre esse livro, já estava até na minha lista de desejados. E agora, lendo sua resenha, estou ainda mais curiosa com a leitura. Não sabia que tinha o filme, mas já estou louca para assistir.
    Esse livro mostra o quanto ainda precisamos aprender sobre a vida.

    Obrigada pela dica!
    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
  11. A um bom tempo esse livro está na minha lista de desejos e sua resenha reforçou isso e fiquei de queixo caído em saber que o filme não te conquistou na mesma medida do livro, mas apostando nessa sacudida que mencionou eu quero ler e assistir a adaptação. Achei muito relevante seu comentário sobre o sofrimento alheio, sempre comento que nosso mundo vai mal por falta da empatia e isso já me faz imaginar o quando acompanhar essa jornada pode ser angustiante.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Eu tive a oportundade de assistir a adaptação dessa história ano passado com a FOX. Adiei a leitura e este ano quero ler. Apesar de ter chorado horrores na sala do cinema, eu gostei do enredo e é uma leitura necessária =D

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Eu quero muito ler este livro e nossa sua resenha já me deixou impactada por esta trama. Ainda nem assisti ao filme só porque quero ler o livro primeiro. Adorei a resenha!

    ResponderExcluir
  14. oii tudo bem ?
    nossa eu vi muito desse livro por ai e fez despertar meu interesse o tema abordado na historia e intenso espero que eu consiga pega ele esse ano pra ler , já o filme ainda não sei se verei mais o livro farei um esforço já que terei que sair da minha zona de conforto e acho que esse livro vai ser uma ótima escolha.

    bjs

    ResponderExcluir
  15. Olá, tudo bem? Esse livro é de uma sensibilidade sem igual. Acho que todos precisam e deveriam ler, por isso ver mais uma resenha elogiosa para mim é gratificante. Adorei a sua opinião e ela se assemelha e muito com a minha sobre a história. Adorei!
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Oi, tudo bem? Fiz essa leitura no início do ano passado e lembro que ela quase explodiu a minha cabeça de tão maravilhosa e necessária. Realmente, é uma história que precisamos ler mais, que precisa ser contada mais vezes para que a realidade se modifique. Acho que além de empatia tá faltando ouvir o outro. As narrativas negras ainda são muito solitárias justamente porque se tem o local da dor e da fala, mas não o da escuta. Que bom que essa leitura também te modificou, é sempre bom saber que esse livro muda mundos <3

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Oi!

    Gostei muito da sinopse e suas contribuições me deixaram ansiosa para ler essa obra. O fato de ter duas abordagens distintas sobre as classes sociais e sobre a etnia é bem motivador, e o fato da indecisão de agir corretamente ou não, de presenciar tratamentos diferenciados, dentre outros é tudo que idealizo em um livro.

    Obrigada pela dica.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  18. Haaa amei a resenha. Ainda não tinha lido nenhuma resenha somente ouvido no stories do instagram e adorei sua resenha me parece ser uns desse livros bem fortes e que nos muda a forma de ver o mundo nos dando varias lições. Quero muito ler esse livro em breve.

    http://imagine-livros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  19. OI Alessandra, sua linda, tudo bem?
    Tenho lido algumas críticas do livro e do filme também. Algumas acreditam que o livro não aprofundou tanto as questões raciais, que poderia ter desenvolvido mais essa parte. Mas eu ainda quero muito ler. E sua opinião me deixou mais animada. Sua resenha ficou ótima.
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  20. Empatia infelizmente é uma coisa que anda muito em falta, grande parte das pessoas simplesmente não conseguem entender nem o que são privilégios, imagina então entender a dor de outras pessoas pelas coisas absurdas que acontecem. Quero muito ler esse livro e conferir esses sentimentos que ele provoca. Sinto que vai ser uma obra que vou querer dar de presente para as pessoas.

    ResponderExcluir
  21. Olá, que bom saber que você curtiu a leitura. Esse é um livro que quero muito ler, acho muito importantes e reais os temas que a autora aborda na obra.

    ResponderExcluir