Querido mundo

Publicado por 24.8.18


Sinopse: O relato surpreendente de uma menina síria em meio aos horrores da guerra. Aos 3 anos de idade, Bana Alabed tinha uma infância feliz que foi interrompida abruptamente por uma guerra civil. Durante os quatro anos seguintes, Bana viveu em meio a bombardeios, destruição e medo.Sua provação angustiante culminou em um cerco brutal em que ela, seus pais e os dois irmãos mais novos ficaram presos em Aleppo, com pouco acesso a comida, água, medicamentos e outras necessidades básicas. Com o potencial revolucionário da Internet, Bana, em um gesto simples, mas inédito, usou o Twitterpara pedir paz e mobilizar pessoas ao redor do mundo pelo mesmo intuito.Contendo palavras da própria Bana e cartas comoventes de sua mãe, Fatemah, Querido Mundo não é apenas um relato envolvente de uma família ameaçada pela guerra — o livro oferece, também, uma perspectiva únicas obre uma das maiores crises humanitárias da história, vista pelos olhos de uma criança. Bana perdeu sua melhor amiga, a escola onde estudava e seu lar. Mas não perdeu a esperança — com relação a si mesma e às outras crianças ao redor do mundo, vítimas e refugiadas de guerra que são dignas de vidas melhores.
Autor(a): Bana Alabed | Editora: Best Seller | Páginas: 160 | Ano: 2018 

Sem dúvida alguma este livro traz uma história carregada de emoções e pronta para dar ao leitor um choque triste de realidade, ao mesmo tempo em que proporciona uma onda de esperança até no mais duro coração.

Bana é só uma criança como tantas outras, não almeja nada grandioso, seu plano de vida inclui viver feliz com sua família e amigos, assim como qualquer outra menina de sua idade. Apesar de ser tão nova a protagonista relata de forma clara, direta e comovente sua vida na Síria e os diversos perigos que foi obrigada a enfrentar.

Não chorei quando ouvi a bomba, mas chorei mais tarde quando Baba e mamãe decidiram que eu não poderia mais ir à escola.

Esta é uma história real e emocionante de uma criança que chegou a duvidar de que no final tudo daria certo. Seu sofrimento foi tanto que seus sonhos se perderam, sua inocência foi trocada pelo medo e sua alegria foi dando espaço às lágrimas que rolavam a cada perda.


Uma menina tão doce e diante de algo tão forte quanto a crueldade do ser humano. Bana não vai esconder, tão pouco irá amenizar a situação em se viu imersa. A vida de uma criança em meio à guerra, onde até mesmo a escola era vista como alvo, é angustiante e serve como lição. Não que ela tenha relatado tudo com o intuito de nos ensinar algo, o objetivo era apenas ser salva.

É difícil descrever o estrago que viver o tempo todo com medo de perder a vida causa em nós.

Depois de tantas noites mal dormidas, de tantas refeições não feitas e de todo medo em seu coração, a protagonista desta história real encontrou nas redes sociais uma porta de saída ao pedir ajuda e mostrar a todo o mundo como estava sendo difícil ter esperança naquele lugar. Ao perceber que havia conseguido alcançar algum público, juntamente com sua mãe a menina passou a compartilhar imagens das condições precárias e do rastro de destruição.

Depois de algum tempo, ficamos todos quietos, porque não havia nada que pudéssemos fazer a não ser ficar sentados e ser apedrejados pelo céu.


Não conhecia Bana antes de ler este livro, mas agora não consigo parar de pensar nela, em sua família e nos diversos outros refugiados. Esta menina conseguiu me dar motivos para duvidar do ser humano ao mesmo tempo em que me mostrou que é preciso ter fé em algo e que estender a mão pode ser um pequeno gesto que faz grande diferença.

Meu coração ficou partido e o nó na garganta insistiu em se fazer presente, não teria outra forma de ler as palavras de uma criança que sofreu tanto sem que houvesse algum tipo de comoção. 


Ou você poderia ser gentil com uma família refugiada e ver se eles precisam de ajuda para aprender coisas sobre seu novo país. Lembre-se de que eles estão com saudades de casa.


Apesar de dura, pesada e intensa a leitura transcorre de forma rápida e sem enrolações. A menina fez questão de ser o mais transparente e direta possível, o que facilitou na hora de digerir o terror que é uma guerra.



8 comentários

Comentários
8 Comentários
  1. Com certeza uma leitura impactante e que nos faz refletir e ter muita empatia.Nao conhecia!

    ResponderExcluir
  2. Histórias reais sempre são surpreendentes

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, como vAI? confesso que ainda nao conhecia, mas eu achei super interessante, ótimo mesmo pra refletir

    ResponderExcluir
  4. Eu provavelmente não leria esse livro.
    Fico muito mal com essas histórias e não poder ir lá, estar presente fisicamente, para ajudar.
    Eu sofro demais com relatos de guerra.
    Mas o que me dá esperança é saber que ela conseguiu ser notada, escrever um livro e atingir tantas pessoas.
    Espero que ela esteja bem.

    Beijinhos,
    Aline Magalhães
    Alineland

    ResponderExcluir
  5. Eu gosto muito de livros baseados em fatos reais, mas ver a guerra pelos olhos de uma criança é muito difícil, eu tenho muita empatia. Beijos

    ResponderExcluir
  6. Que história incrível, amei a sinopse. E sua analise de ser rápida e sem enrolações.
    Gostei, muito legal!
    Blog ArroJada Mix|Blog Prosa e Texto|Blog Vapor da Cozinha

    ResponderExcluir
  7. Hey
    A história desse livro é realmente incrível! Sou formada em relações internacionais e já fiz trabalho voluntário com refugiadas! A situação é extremamente delicada e difícil pra eles sabe ?
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Passei a conhecer um pouco da Bana através dessa resenha, não conhecia o livro, me parece mesmo que tem fortes emoções, ainda mais por se tratar de um cenário de guerra

    ResponderExcluir