Enclausurado

Publicado por 24.11.17


Sinopse: O narrador deste livro é nada menos do que um feto. Enclausurado na barriga da mãe, ele escuta os planos da progenitora para, em conluio com seu amante — que é também tio do bebê —, assassinar o marido. Apesar do eco evidente nas tragédias de Shakespeare, este livro de McEwan é uma joia do humor e da narrativa fantástica.
Autor(a): Ian McEwan | Editora: Companhia das Letras | Páginas: 200 | Ano de lançamento: 2016

O que você imaginaria de uma história que gira em torno de um plano para assassinar alguém, mas com um detalhe especial, o narrador é um bebê que ainda não nasceu. Isso mesmo, conhecemos a história a partir do ponto de vista de um ser que ainda está dentro da barriga de sua mãe.

Trudy é a mãe do narrador e se vê entre dois homens, de um lado seu marido que já não mora mais com ela e de outro o irmão deste, que por sinal é seu amante. Sim, existe uma espécie de triângulo nesta história, mas um pouco diferente do que estamos acostumados a encontrar nos livros. O relacionamento entre eles não exala amor, paixão e romance, são apenas adultos que se envolvem por motivações distintas.

John, o pai, não é tão inocente quanto você possa imaginar. Muito longe de ser ingênuo, ou uma pobre vítima de um casamento fracassado, o pai se mostra determinado ao informar à sua esposa e ao seu irmão que voltará para casa acompanhado de sua nova namorada, mas para isso Trudy deverá abandonar a residência do casal e ir morar com seu amante.

Claude, o tio, é o mais frio e calculista dos três. Seu envolvimento com a cunhada inclui sexo e planos de assassinato, mas nada de romance e sonhos de serem felizes para sempre, ao menos não notei nenhuma conexão entre eles que mostrasse algo mais profundo e com um sentimento puro. O desejo de eliminar John é evidente, constante e ocupa maior parte da conversa entre eles.

Agora que você já conhece o trio de adultos, vamos ao narrador desta história. O bebê, apesar de ainda não ter nascido, não é infantilizado nesta trama. A forma como ele conta tudo o que sabe, descrevendo diálogos e situações que percebe mesmo estando dentro da barriga de sua mãe, o torna um pouco mais maduro do que eu poderia imaginar. Constantemente a impressão que eu tinha era de que quem estava narrando já era adulto, com opiniões formadas e conhecimento sobre a vida.

A história é interessante, os personagens não são muito complexos e a ideia de ter um narrador que ouve tudo e não pode fazer nada é empolgante, porém não me senti tão envolvida quanto imaginava que ficaria. Criei expectativas enormes em relação a esta obra e por isso esperava um pouco mais. Acho que se o feto fosse um pouco mais ingênuo me sentir mais convencida, mas ele aparentava ser mais experiente e culto que eu.




11 comentários

Comentários
11 Comentários
  1. Esse livro é maravilhoso, amo literatura

    ResponderExcluir
  2. Nunca tinha ouvido falar desse livro. Achei legal a ideia de ler um livro que é narrado por um feto, nunca li nada do tipo. A ideia de um feto mais culto que qualquer um soa como não convincente mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Que livro bacana de se ler. Adorei seu post

    ResponderExcluir
  4. É bem diferente porque o feto é que narra a história, primeira vez que vejo uma história assim. É super interessante

    ResponderExcluir
  5. Que máximo. Amo esse autor. Já li dois livros deles que são simplesmente do outro mundo pela surpresa e sensiblidade. Pena que você esperava mais. Fiquei curiosa para ler. Adorei a resenha. bjs

    ResponderExcluir
  6. Achei super interessante a temática...o tanto de planos feitos para os bebês são mesmo muitos e dá mesmo pano para manga
    Gostei, muito legal.
    Blog ArroJada Mix

    ResponderExcluir
  7. Que ideia fantástica! Achei muito genial a abordagem do livro, vou procurar para comprar com certeza!

    ResponderExcluir
  8. Parece ser um ótimo livro .Achei super legal e interessante a temática.

    ResponderExcluir