É fada!

Publicado por 21.1.17



Inicialmente acredito que precise contextualizá-lo sobre qual minha posição em relação à atriz, Kéfera, que protagoniza este filme.
Não me encaixo no grupo de fãs desta youtuber de sucesso, que fatura milhões de visualizações a cada novo vídeo e que encanta diversas pessoas com o seu jeito irreverente. Porém, também não faço parte da turminha que a odeia e que gosta de criticar qualquer espirro que ela dê. Posso dizer que estou no meio do caminho, às vezes até assisto alguns de seus vídeos e dou aquele famoso "like". Agora que você já sabe que eu não odeio e não amo a Kéfera, já está avisado que minha opinião será a mais neutra possível no quesito Kéfera.

Geraldine (Kéfera), a fada desta história, é um pouco atrapalhada e precisa desempenhar bem sua missão para ter suas asas de volta. Está achando que isso é clichê? Então calma, tem mais. A missão consiste em ajudar a adolescente Júlia (Klara Castanho), patinho feio da escola, a se enturmar com os colegas esnobes. Agora sim, fórmula perfeita do clichê.


Ser clichê é ruim? Nem sempre. Muitos filmes e livros que não inovam em sua trama central agradam ao público, se mostram interessantes e servem como uma boa opção de entretenimento, porém este filme deu algumas "escorregadas" em diversos momentos.

Quando se imagina que um ser de outra dimensão vai surgir para ajudar alguém, espera-se que os conselhos sejam bons, mesmo se houver confusões e dificuldades a intenção real seria guiar por um bom caminho, mas não é bem o que acontece neste filme. 

Geraldine não é apenas uma fada atrapalhada, é uma fada que não sabe o que realmente significa fazer o bem a alguém. Não imaginava encontrar nela toda a futilidade e infantilidade que me foi mostrado no decorrer do filme. Só para você ter uma ideia, Júlia é orientada a  ignorar seu pai pobre porque isso lhe faria passar vergonha na frente das colegas ricas.

Não vou contar mais sobre a história, até porque não há algo mirabolante ou inovador. Até mesmo a mensagem bonita de amor, respeito e orgulho da família que este filme poderia trazer não foi explorado, ficou em segundo plano.

Não me encaixei no público alvo, porém também não consegui visualizar que público seria esse! Adultos tendem a ser mais críticos e não se convenceriam com esta história superficial, adolescentes normalmente não se interessam por história com fada madrinha e crianças não deveriam assistir por causa dos palavrões e outros gestos da fada (como tirar a varinha do c#).


Enfim, achei um desperdício de tempo e dinheiro. Os efeitos são fracos, a história não convence, a moral da história não é bem explorada e alguns personagens não agregam em nada.

Ah, mas se você leu até aqui querendo saber o que eu falaria sobre a Kéfera, saiba que ela até que se saiu bem interpretando o papel de 'ela mesma', afinal, Geraldine nada mais é que do que a Kéfera que você vê no youtube, igualzinha.

Caso você esteja sem nada para fazer e não anseia por uma história profunda ou com uma bela mensagem por trás, acredito que não irá sofrer assistindo É fada!

2 comentários

Comentários
2 Comentários
  1. Acabei nem assistindo ao filme.. Geralmente evito ver esses filmes de youtubers, que sempre são "amadores". Obrigada pela resenha.

    ResponderExcluir
  2. Ainda nao vi, mas ouvi falar que a Kefera até se saiu bem no papel como vc mesma disse, acredito q para crianças deve ser bacana né.

    ResponderExcluir