O papai é pop - Marcos Piangers

Publicado por 9.8.15

Sinopse: Então, você vai ser pai. Você sabe que precisa comprar uma casa maior. Tem que ter mais espaço pra criança. Tem que ter mais um quarto no apartamento. Tem que ter um berço novo, não pode ser aquele que a vizinha se dispôs a emprestar. Então você sabe que tem que trocar de carro, com seis airbags, no mínimo, ar-condicionado de fábrica. O que o humorista Marcos Piangers descobriu ao ser pai jovem é que essas preocupações não fazem diferença nenhuma. O que vale mesmo não é pagar pela melhor creche, se você é o último a buscar seus filhos. Não é comprar os melhores brinquedos, porque as crianças gostam mesmo é das brincadeiras que não custam nada. No fundo, o que importa mesmo, como os textos divertidos e emocionantes de Papai é Pop mostram, é você estar com seus filhos, não pensando em outra coisa, mas estar lá. De verdade.
Autor: Marcos Piangers | Editora: Belas-Letras | Compre aqui

Começo admitindo que me surpreendi com o autor e com sua relação com as filhas. Como ele mesmo refere em determinados momentos de sua obra, as pessoas costumam estranhar ao vê-lo com suas pequenas. Estou acostumada a ouvi-lo no rádio contando piadas, me fazendo rir no trajeto até a universidade enquanto ouço o Almir (personagem interpretado pelo Piangers).
O Papai é Pop é um livro de texto leve e de emoções profundas. Como é o Piangers. Você pode sorrir e rir ao ler este livro. E pode, também, chorar. Mas aí, cuidado, não o faça na frente do Piangers, ele pode achar piegas. Ninguém pode ser piegas perto do Piangers.
Através das crônicas bem humoradas, pude conhecer um lado do autor que eu não conhecia e isso me agradou muito. Com histórias do cotidiano de um pai de duas gurias, o Piangers me mostrou que por muitas vezes as atividades de um pai cansam, mas que nem por isso deixam de valer a pena.

Não consegui escolher uma crônica preferida, pois todas, sem exceção, me envolveram de alguma forma, fosse rindo ou suspirando. Meu envolvimento com a obra foi tão grande, que assim que iniciei a leitura, não consegui parar até chegar ao final e isso não levou nem uma hora. Posso afirmar, sem dúvida alguma, que consegui perceber em poucas páginas o quanto é lindo ser pai e o quanto o autor é feliz por isso.
Estou pagando uma pechincha por abraços. Cada abraço de uma menina de dois anos me economiza uma fortuna que eu gastaria com psiquiatras. Cada beijo de boa noite me alivia a conta do cardiologista. Cada "eu te amo" me afasta do hospital.
Fiz uma viagem à minha infância enquanto lia este livro, lembrei de quantas vezes meu pai pode ter cansado, mas continuava montando minha piscina de plástico e estragando a grama do pátio ou o quanto ele gastou comigo e era recompensado com cartinhas mal escritas (e que eu sei que ele ainda guarda).


Ouso dizer que este é um daqueles livros que devem ser lidos por todos. Tem filhos? Então leia e veja que não está sozinho nesta jornada. Está pensando em ter filhos? Então leia e veja o quanto isso pode lhe fazer feliz. Não quer ter filhos? Então leia, pois você é o filho!

6 comentários

Comentários
6 Comentários
  1. Olá !
    Adorei sua resenha. Tenho visto muitos leitores falarem bem desse livro.
    Pela sinopse, concordo que todos deveriam ler esse livro pois, mesmo não sendo pai, somos filhos.
    Beijos
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Primeiramente queria dizer que adorei sua resenha
    Queria muito adquirir esse livro porém tenho outras preferências
    Acho que ele está lindo tanto quanto essa capa e com a diagramação também
    Beijos
    Myself here

    ResponderExcluir
  3. Adorei sua resenha.
    Esse livro está um boom.
    Todas as resenhas que eu leio são só elogios.
    Adorei a ideia e as ilustrações.
    Fiquei curiosa pela leitura.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?
    Tenho visto vários elogios ao livro pela blogsfera, mas ainda assim não tenho interesse em lê-lo....
    Bjs

    http://a-libri.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oiee!
    Todos são so elogios para esse livro. Não tenho filhos, mas adoraria ler esse licro e ver a relação do autor com as filhas e de quebra relembrar a infância boa igual você falou!
    Beijos

    Lumartinho.Blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oie, tudo bom?
    Também falei na minha resenha que esse livro deveria ser lido por todos os leitores. Assim como você, também não consegui definir a crônica preferida, mas amei esse livro. Foi divertido e emocionante na medida certa. Um livro que fala sobre uma relação linda de pais e filhos.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir