[RESENHA] A revolução dos bichos - George Orwell

Publicado por 13.4.14


Autor: George Orwell

Sinopse: Verdadeiro clássico moderno, concebido por um dos mais influentes escritores do século 20, "A Revolução dos Bichos" é uma fábula sobre o poder. Narra a insurreição dos animais de uma granja contra seus donos. Progressivamente, porém, a revolução degenera numa tirania ainda mais opressiva que a dos humanos. Escrita em plena Segunda Guerra Mundial e publicada em 1945 depois de ter sido rejeitada por várias editoras, essa pequena narrativa causou desconforto ao satirizar ferozmente a ditadura stalinista numa época em que os soviéticos ainda eram aliados do Ocidente na luta contra o eixo nazifascista.



Na Granja do Solar os animais trabalham como escravos sem ter nenhuma recompensa além de uma alimentação, por vezes escassa. Enquanto o proprietário do local utilizava toda a produção dos animais a seu favor, seja para manter o sustento da família e de seus vícios ou somente para se alimentar. Um cenário comum aos olhos dos leitores, mas que estava prestes a sofrer grandes mudanças.


Os porcos, que eram reconhecidos como os mais inteligentes entre os animais da granja, reuniram os demais e propuseram uma revolução, que resultaria em algo parecido com o socialismo que conhecemos, onde não mais trabalhariam para satisfazer o seu dono, mas sim a si próprio, vivendo em harmonia e compartilhando os frutos do trabalho.

O homem é a única criatura que consome sem produzir. Não dá leite, não põe ovos, é fraco demais para puxar o arado, não corre o suficiente para alcançar uma lebre. Mesmo assim, é o senhor de todos os animais. Põe-nos a trabalhar, dá-nos de volta o mínimo para evitar a inanição e fica com o restante. Nosso trabalho amanha o solo, nosso estrume o fertiliza e, no entanto, nenhum de nós possui mais do que a própria pele.

Unidos eles conseguem expulsar Jones, o dono da granja, e tudo parecia se encaminhar para uma vida melhor aos animais, com direito a aposentadoria para os animais que se tornassem velhos para o trabalho. 

Em toda organização é necessária a existência de um líder, alguém que tenha a capacidade de comandar a grande massa, senão há tumulto. Na granja o poder ficou sob posse dos porcos, que instituíram "leis" que deveriam ser obedecida por todos.

1. Qualquer coisa que ande sobre duas pernas é inimigo.
2. Qualquer coisa que ande sobre quatro pernas, ou tenha asas, é amigo.
3. Nenhum animal usará roupas.
4. Nenhum animal dormirá em cama.
5. Nenhum animal beberá álcool.
6. Nenhum animal matará outro animal.
7. Todos os animais são iguais.

A cada passagem fica ainda mais clara a semelhança com a realidade. A criação de leis para por ordem mesmo tendo animais que não as entendiam, mas acatavam por acreditar que se o "líder" dizia ele deveria estar certo e nada era contestado. A disputa de poder entre os porcos foi digna de aplausos, visto que assim que o outro porco, Napoleão, tomou posse da granja começou a denegrir a imagem do antigo líder, o culpando por tudo de ruim que por ventura acontecesse à eles.

Sempre que Napoleão demonstrava abuso de poder, de alguma forma eu o acabava comparando aos grandes líderes que causaram guerras. O tão sonhado socialismo ficou bonito apenas no papel, já que os animais passaram a trabalhar para sustentar os desejos do líder, que passou a alterar as leis da forma que melhor lhe convinha. Acho que agora você também está fazendo ligações da obra fictícia com muito do que vê nos jornais ou estudou nas aulas de história na escola.

4. Nenhum animal dormirá em cama com lençóis.
5. Nenhum animal beberá álcool em excesso.
6. Nenhum animal matará outro animal sem motivo.
7. Todos os animais são iguais, mas alguns são mais iguais que os outros.

Todo aquele idealismo foi por água abaixo, os animais voltaram a ser escravos, mas de um dono diferente e por se acomodarem ou até mesmo não entenderem o que acontecia, não brigavam por seus direitos e aumentavam o poder de Napoleão, que passou a ter uma guarda pessoal, dormir em cama humana, beber uísque e a andar em duas patas enquanto vestiam roupas de Jones. Chegou o momento onde não se falava mais na revolução, muitos não estavam mais vivos, outros estavam velhos demais para recordar como a vida era no início. O povo esquece!

Lógico que não contarei o final, mas se você já conseguiu acompanhar meu raciocínio, e fez as ligações necessárias, já deve estar imaginando como essa história acabou. Indico este livro a todos, pois retrata a realidade de uma forma simples e direta, o que muitas vezes nós, que não somos os cavalos ou ovelhas da granja, deixamos passar batido.

As criaturas de fora olhavam de um porco para um homem, de um homem para um porco e de um porco para um homem outra vez; mas já era impossível distinguir quem era homem, quem era porco.

2 comentários

Comentários
2 Comentários
  1. Engraçado que há muitos anos atras eu vi esse filme passando na tv... eu era uma criança... deveria ter uns 8 anos e fiquei super impressionada e cheguei a ter pesadelos! Olhando seu post me fez lembrar disso... E muito obrigada... Agora que já sou adulta, vou ver o filme (mais uma vez) e ler esse livro =D Beijoos

    http://balacaramelo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Quando eu li esse livro fiquei encantada pela escrita e genialidade do Orwell. Acho esse livro simples, mas fantástico. 1984 também, mas como A Revolução dos Bichos foi o primeiro do autor que eu li, fiquei mais impressionada hahahaha Tem várias passagens que adoro!

    http://sobrelivroseletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir