Sinopse: Naomi Bowes viu seu mundo ruir na noite em que resolveu seguir seu pai floresta adentro. Ao libertar uma garota presa no porão, Naomi revela a terrível extensão dos crimes cometidos por seu pai e, consequentemente, torna-o famoso.
Agora uma fotógrafa bem-sucedida sob o nome de Naomi Carson, a jovem encontra um lugar para chamar de seu. Uma casa velha, localizada a centenas de quilômetros de sua antiga vida.
Apesar de desejar a solidão, os gentis moradores de Sunrise Cove insistem em tê-la por perto e acolhê-la – especialmente o determinado Xander Keaton. Ela sente suas defesas caírem e, mesmo certa de que o acolhimento que sua nova vida oferece é algo que sempre quis, os pecados do seu pai se tornam uma obsessão. E, como já aprendeu, seu passado está a um pesadelo de distância...

Autor(a): Nora Roberts | Editora: Bertrand Brasil | Páginas: 462 | Ano de lançamento: 2017

Naomi tinha apenas 11 anos, estava ansiosa pelo seu aniversário e constantemente sua curiosidade a fazia suspeitar de qual seria seu presente, até que em uma noite teve a oportunidade de seguir seu pai e tentar descobrir se ganharia mesmo uma bicicleta.

Após perder o sono a menina o viu adentrar a mata, com o intuito de surpreendê-lo decidiu ir escondida, imitando seus passos, mantendo silêncio e tentando controlar a ansiedade. O que ela não poderia imaginar é que seu presente de aniversário era algo mais vivo que uma bicicleta.

A aventura pela mata durante a noite a colocou em um caminho sem volta. Seu amado pai, homem respeitado por todos na cidade, religioso e rigoroso, não era tão perfeito quanto poderia imaginar. Ele não estava escondendo uma bicicleta ou um cachorrinho, mas sim uma de suas diversas vítimas. 

Feliz aniversário. Você é muito esperta, forte e corajosa. Salvou minha vida, Naomi. Salvou a vida de uma pessoa antes de fazer 12 anos. Não se esqueça disso.

Bowes era um serial killer responsável pelo sequestro, tortura, estupro e morte de diversas mulheres. Sua fama se tornou universal após ser descoberto pela própria filha. Agora, preso, ele não fará mal a nenhuma outra mulher estranha, mas ainda terá poder de arruinar a vida de sua família.

A vida de Naomi passa por enormes mudanças, seu nome já não é mais o mesmo, sua família agora inclui seu tio que ela não via há anos, sua casa é em outra cidade, seus amigos nunca saberão de onde ela veio, mas nem assim as coisas serão fáceis para ela e seu irmão.
Quando você deixa as coisas para trás, Nom, passa a ser observado pelas costas. Prefiro manter as coisas à minha frente, onde posso ver para onde estão indo.

Enquanto escrevo esta resenha volto para a realidade da protagonista, revivo as sensações que a leitura me proporcionou e ainda me sinto presa à história. O desenvolvimento da trama é envolvente e convincente, a todo instante pensei que Naomi precisava de bons amigos, de pessoas que lhe estendessem a mão independente de quem fosse seu terrível pai.

Achei que ele fosse meu amigo. Mas ninguém permanece amigo quando a verdade vem à tona.

Vê-la crescer, ir para a faculdade, se tornar independente e finalmente conquistar a amizade de pessoas legais me deixou feliz, pois todo o tormento que a acompanhou durante toda sua vida poderia ser deixado de lado. Até que a autora coloca outro serial killer na jogada e meu coração começa a ficar apertado temendo pelo que aconteceria.

Esta é uma história com drama, suspense, investigação policial, um toque de romance e belas amizades, tudo dosado na medida certa. Apesar da inserção de um romance, este cenário bonito não ofuscou a obscuridade que envolvia a protagonista e sua família. Sem dúvida alguma Nora Roberts deu vida a Naomi de forma a parecer real, deixando transparecer que mesmo o belo romance não apaga os problemas da vida, nem mesmo significa que o final feliz já chegou.

Assim como a narrativa apresenta evolução e transcorre de forma a tudo se encaixar, os personagens se mostram fundamentais para o desenvolvimento da trama. Cada um representa um papel importante e constantemente mostram-se únicos e dotados de vida própria. Naomi obviamente se destaca, mas não apaga os demais personagens.








Sinopse: Quando a beleza das borboletas encontra os horrores de uma mente doentia. Um thriller arrebatador, fenômeno no mundo inteiro Perto de uma mansão isolada, existia um maravilhoso jardim. Nele, cresciam flores exuberantes, árvores frondosas... e uma coleção de preciosas “borboletas”: jovens mulheres, sequestradas e mantidas em cativeiro por um homem brutal e obsessivo, conhecido apenas como Jardineiro. 
Autor(a): Dot Hutchison | Editora: Planeta | Páginas: 304 | Ano de lançamento: 2017

Diversas adolescentes desaparecem todos os dias no mundo, algumas são encontradas com vida, outras jamais voltarão para casa, mas o que acontece com cada uma delas pode ser inimaginável. Nesta história o leitor saberá o que aconteceu com as meninas sequestradas pelo Jardineiro.

A pessoa que você é não se resume em um nome, mas sim em uma história, e eu preciso conhecer a sua.

O Jardineiro escolhe suas meninas muito bem, existe uma faixa etária que ele respeita fielmente, não há necessidade de atrair crianças para seu jardim, tão pouco prolongar a vida de suas borboletas que logo envelhecerão. Cada adolescente recebe um novo nome ao adentrar o jardim, assim como passam a representar alguma espécie de borboleta de acordo com as asas que lhes são tatuadas.


Apesar de toda crueldade que possa envolver o processo de sequestro destas meninas, seu algoz as trata da melhor forma possível, se preocupando com seu bem estar durante o período em que estarão vivas e a sua disposição no cativeiro, que foi construído para fazer com que se sentissem realmente em um belo jardim.

Alertadas pelos gritos, as outras meninas saíram dos quartos, ou de onde estavam no Jardim, e correram para lá, e todas as vinte e duas garotas ficaram ali em silêncio e de olhos secos, enquanto o homem que nos mantinha presas chorava a morte da única que ele não havia matado.

A polícia jamais teceu ligações entre os diversos desaparecimentos, tão pouco suspeitava de que o bom homem, pai de família e com uma vida normal poderia ser tão perigoso. Como então ele foi descoberto?

Tudo será contado a partir das recordações de Maya, uma das borboletas. Suas memórias serão fundamentais para explicar o que realmente acontecia e como tudo pode ter chegado ao fim, porém suas palavras podem não ser tão confiáveis e ela pode se tornar tão suspeita quanto seu sequestrador.
Não ia lutar, porque não queria morrer, mas também não ia fazer parte daquilo. Então eu o deixava fazer tudo o que ele queria e, para manter minha mente ocupada, recitava os poemas de Poe.
A trama se desenvolve de forma ágil e descomplicada, bem construída, porém apresenta algumas situações que poderiam ter sido exploradas com uma melhor profundidade. Não me decepcionei com a evolução da narrativa, apenas me senti tão envolvida que em determinado momento acabei ansiando por mais do que a autora foi capaz de me entregar.

O final é bom e traz respostas convincentes sobre diversos aspectos da história, mas considerando todo o potencial da obra em prender o leitor até as últimas páginas, esperava algo ainda mais elaborado. Não foi decepcionante, mas não manteve a intensidade construída no desenrolar as páginas.




Sinopse: Dez anos atrás, Suzanne, uma garota de 14 anos, simplesmente desapareceu sem deixar qualquer vestígio. Filha do então senador Benjamin Lombard, agora poderoso vice-presidente dos EUA, o caso continua sem solução e se transformou numa obsessão nacional.Para Gibson Vaughn, renomado hacker e mariner, trata-se de uma perda pessoal. Suzanne era como uma irmã para ele. No décimo aniversário do desaparecimento da garota, o ex-chefe de segurança de Benjamin Lombard pede a ajuda de Gibson para realizar uma investigação secreta e entrega a ele novas pistas.
Autor(a): Matthew Fitzsimmons | Editora: Faro | Páginas: 320 | Ano de lançamento: 2017

Suzanne, a filha de um renomado senador, saiu de casa quando tinha apenas 14 anos e nunca mais retornou. Se a adolescente fugiu ou foi sequestrada ninguém sabe, as investigações foram inconclusivas e as buscas pararam sem encontrar qualquer tipo de resposta para as diversas perguntas que todos, incluindo a população, faziam.

Gibson e Suzanne eram muito próximos. Desde pequenos compartilhavam uma amizade tão pura que se consideravam irmãos. Cresceram juntos, dividiram histórias, apelidos e um carinho imensurável, porém tudo acabou de forma repentina com o desaparecimento da jovem. Apesar de já ter passado uma década, Gibson ainda sente saudades de sua "irmã" e nutre esperança de que um dia tudo será solucionado.

A Esperança é um câncer. E o resultado? Das duas, uma: ou você nunca descobre a verdade e durante o processo é corroído por dentro até não restar mais nada. Ou ainda pior: você descobre e acaba atravessando o para-brisa a noventa por hora, porque a esperança lhe garantiu que você podia dirigir sem sinto de segurança.

Ao ser procurado pelo ex-chefe de segurança do pai de Suzanne, Gibson tem sua esperança ampliada. Novas pistas surgem e ele dará o melhor de si para encontrar o paradeiro de sua amiga, mesmo que isto signifique se envolver em situações que o colocarão em risco e momentaneamente o afastarão um pouco mais de sua filha.

A expectativa de desvendar o mistério por trás deste caso é o que prende o leitor, a todo instante algo novo aparece para modificar ou intensificar a busca por respostas. Os personagens são complexos e únicos, cada qual possui sua própria história de vida e segredos, mas independente de qualquer diferença que possuam andarão pelo mesmo caminho em busca da verdade.

Uma história repleta de conspirações, segredos e mentiras, fazendo com que as investigações resultem em descobertas que vão além do previsível. Enquanto o leitor acompanha as reviravoltas e acredita que já descobriu tudo o que era necessário, o autor constrói situações para mostrar que existe mais mistério do que poderíamos supor.

Sem dúvida alguma é um ótimo livro de suspense policial, bem amarrado e convincente, porém preciso deixar algo claro. O autor se utiliza de muitos detalhes, cada cena e personagem é muito bem descrito, o que por vezes torna a leitura um pouco mais lenta e cansativa. Eu tenho um certo problema com narrativas mais detalhistas e por isso levei mais tempo para concluir a leitura, mas acredito que valha a pena, pois a história não decepciona.







Sinopse: Um grupo de jovens deixa uma pequena cidade no Paraná para viver no Rio de Janeiro. Eles alugam um apartamento em Copacabana e fazem o possível para pagar a faculdade e manter vivos seus sonhos de sucesso na capital fluminense. Mas o dinheiro está curto e o aluguel está vencido. Para sair do buraco e manter o apartamento, os amigos adotam uma estratégia heterodoxa: arrecadar fundos por meio de jantares secretos, divulgados pela internet para uma clientela exclusiva da elite carioca.
A partir daí, eles se envolvem em uma espiral de crimes, descobrem uma rede de contrabando de corpos, matadouros clandestinos e grã-finos excêntricos, e levam ao limite uma índole perversa que jamais imaginaram existir em cada um deles.
 Autor(a): Raphael Montes | Editora: Companhia das Letras| Páginas: 368 | Ano de publicação: 2016


Tudo começa com Dante, o personagem que vai nos contar a história, mostrando desde o início de sua jornada com seus três amigos de infância. Eles saem do interior para estudar e trabalhar no Rio de Janeiro, em busca de uma vida bem sucedida.

Mas a realidade é bem diferente. Anos depois nenhum deles é bem sucedido e para piorar estão prestes a serem despejados por estarem com seis meses de aluguel atrasado. Um deles usou o dinheiro de forma irresponsável ao invés de efetuar o pagamento mensal, que era divido por eles. 

Por isso surge uma ideia inusitada de copiarem algo que está em alta no mundo: a organização de jantares secretos para a elite, que os consideram experiências diferenciadas. Até aí nada demais se o prato principal não fosse carne humana.
Então a ideia passa de absurda para real quando é colocada em prática e eles se envolvem numa trama bizarra.

A gente já estava lá pela décima garrafa de cerveja e eu divagando sem prestar atenção em nada quando algo me fez lembrar do enigma da carne de gaivota... Escutei esse enigma pela primeira vez de um professor da faculdade no sexto semestre, mas ele ainda continuava na minha cabeça. Naquela noite, decidi contá-lo aos meus amigos: "Um sujeito estava andando pela rua quando deparou com um restaurante que vendia carne de gaivota. Pediu a carne, comeu, foi para casa e se matou. Por quê?"

Com questionamentos sobre o caráter, amizade, dinheiro e poder, o autor nos faz refletir sobre os absurdo praticados na nossa sociedade, seja pela elite que não tem limites para satisfazer suas vontades e os menos afortunados que se sujeitam a fazer qualquer coisa por dinheiro.
Questiona também, através do canibalismo, o nosso consumo excessivo de carne e como os mais ricos se "alimentam" dos mais pobres sem que isso seja crime. 

Mas ainda que as motivações dos personagens sejam perfeitamente plausíveis, a quantidade de coincidências e a forma que os acontecimentos são interligados soam forçados demais.
Sinceramente acho que a atitude final do protagonista não condiz com sua forma de agir e pensar conforme nos é apresentado ao longo da história.

E você faria qualquer coisa por dinheiro? Até mesmo se envolver em um esquema sórdido de abate e venda de carne humana?
Responda a essas perguntas depois de ler o Jantar Secreto.
Enjoy! See you soon!





Sinopse: Lyra Belacqua e seu daemon, Pantalaimon, vivem felizes e soltos entre os catedráticos da Faculdade Jordan, em Oxford. Até que rumores invadem a cidade – são boatos sobre os Papões, sequestradores de crianças que estão espalhando o medo pelo país. Quando seu melhor amigo, Roger, desaparece, Lyra entra em uma perigosa jornada para reencontrá-lo. O que ela não desconfia é que muitas outras forças influenciam seu destino e que sua aventura a levará às terras congeladas do Norte, onde feiticeiras e ursos de armadura se preparam para uma guerra. Embora tenha a ajuda do aletiômetro – um poderoso instrumento que responde a qualquer pergunta –, nada a prepara para os mistérios e a crueldade que encontra durante a viagem. E, mesmo que ainda não saiba, Lyra tem uma profecia a cumprir, e as consequências afetarão muitos mundos além do dela.
Autor(a): Philip Pullman | Editora: Suma | Páginas: 344 | Ano de lançamento: 2017 

Este é o primeiro livro da  Trilogia Fronteiras do Universo

Lyra é uma menina encantadora e esperta, sempre acompanhada de seu daemon, Pan, ela percorre os corredores da Faculdade Jordan brincando com os filhos dos empregados. Órfã, a menina é criada na faculdade sob supervisão de seu tio, Lorde Asriel, um homem reconhecido e renomado que a assusta por sua postura fria e dura.

Como toda criança, Lyra está sempre envolvida em alguma confusão e travessuras. Apesar do receio de ser castigada, a protagonista não abre mão de sua essência e da vontade de ser uma criança normal, porém tudo começa a mudar quando os "Papões" surgem roubando crianças da redondeza.


Há boatos de que pessoas más sequestram crianças, mas ninguém sabe o que acontece com elas, só se tem conhecimento de que nenhuma foi encontrada. O que era apenas uma história para assustar os pequenos se torna mais real e concreta quando um grande amigo de Lyra some. 

Apesar de todo espírito infantil da protagonista, sua força, determinação e inteligência são surpreendentes. A jovem aprende com rapidez e consegue representar papeis úteis para sua sobrevivência, podendo se passar por uma frágil criança para escapar dos Papões, ou enganar ursos para garantir sua vontade seja feita.

A trajetória de Lyra em busca de seu grande amigo e de seu tio, que acabou sendo preso por ursos, a colocará em constante perigo, porém seu daemon não a deixará sozinha. Mesmo sem saber, ela desempenhará um papel muito importante que determinará o destino de todos. O que parece, nem sempre é, e ela terá que ser muito inteligente para descobrir as verdades escondidas em todas as mentiras que a circulam desde seu nascimento.

Mas ela tem que cumprir esse destino sem saber o que está fazendo, porque somente na inocência dela nós podemos ser salvos.

Uma história que mescla de forma interessante, intensa e envolvente, temas como religião, ciência, magia, amizade, intrigas e guerra. Mas lembre que esta é uma aventura repleta de fantasia, muito ágil e que prende o leitor às páginas, então não espere encontrar algo fiel e real, principalmente no que se trata à religião. Não há uma doutrinação, tão pouco fundamentos teóricos a respeito, apenas é demonstrado claramente o poder que esta pode ter sobre os seres humanos e a constante disputa com a ciência.

E foi assim que o pecado chegou ao mundo - disse. O pecado, a vergonha e a morte. Ele surgiu no momento em que os daemons de Adão e Eva se tornaram imutáveis.

Apesar de ser uma trama repleta de fantasia, esta é uma leitura que pede um leitor um pouco mais focado, interessado e que busque uma narrativa um pouco mais densa. Tem feiticeiras, daemons, ursos de armadura e magia, mas também há morte, perda, dor e algumas descrições sobre ciência que dão uma puxada para um lado mais realista. 




Sinopse: Caçula de três irmãs, Angela DeSaria já tinha traçado sua vida desde pequena: escola, faculdade, casamento, maternidade. Porém, depois de anos tentando engravidar, o relacionamento com o marido não resistiu, soterrado pelo peso dos sonhos não realizados.Após o divórcio, Angie volta a morar na sua cidade natal e retorna ao seio da família carinhosa e meio doida. Em West End, onde a vida vai e vem ao sabor das marés, ela conhece a garota que mudará a sua vida para sempre.
Autor(a): Kristin Hannah | Editora: Arqueiro | Páginas: 352 | Ano de lançamento: 2017

Angela é uma mulher centrada e quando deseja algo se mostra determinada, mas por focar tanto em apenas uma coisa acaba deixando outras de lado. Seu desejo por formar uma família a consome, apesar de todos os acontecimentos ela ainda anseia por ter filhos e isso colocará seu casamento em risco. Mesmo que seu marido também compartilhe deste mesmo sonho, a relação entre os dois começa a ficar em segundo plano e acabam por se afastar um pouco a cada novo dia.

Não perca seu tempo olhando para trás. Senão vai acabar deixando de notar o que está à frente.

Após o divórcio, Angie voltará para perto de sua calorosa família. De volta à cidade onde cresceu e tendo que começar do zero, ela precisará mudar bastante para ser feliz. Dentre estas mudanças ela se vê diante do restaurante da família prestes a falir, o sonho de seu falecido pai pode acabar a qualquer instante. Mesmo sem ter conhecimento no ramo da gastronomia, a protagonista decide que dará o melhor de si e precisará convencer sua mãe e irmãs de que pode ser útil.

A determinação desta personagem é contagiante. Mesmo quando parece que ela está exagerando um pouco no foco, a autora mostra ao leitor que há uma motivação e uma justificativa para suas atitudes. Uma mulher forte, mas tão real que não esconde suas fragilidades. Uma pessoa com um coração enorme, mas que precisou perder pedaços dele para compreender isso.

Meu coração é grande o bastante para perder um pedaço de vez em quando.

No meio de tantas mudanças surge Lauren, uma adolescente prestes a se formar no ensino médio. Uma jovem pobre, que mora com a mãe que constantemente a culpa por suas frustrações. Responsável por prover o sustento das duas, a menina precisa amadurecer cedo e inicia seus trabalhos logo aos 10 anos, mas agora aos 17 anos se vê em uma situação inesperada e conturbada. Mesmo tendo uma vida complicada e sofrida, nem por isso ela deixa de construir sonhos.

A vinda inteira eu vi minha mãe aceitar dinheiro de outros homens. Começa como se não fosse nada. Dinheiro para a cerveja ou o cigarro. Depois, 50 paus para um vestido novo ou 100 para pagar a conta de luz... Esse dinheiro muda as coisas.

O caminho de Angie e Lauren se cruzam por algum motivo. O leitor poderá prever algumas situações entre elas, até mesmo a mudança repentina de planos de Lauren, mas isso não diminui a carga emocional desta trama tão envolvente. 

O amor pode nos ajudar a passar por dificuldades.Mas também pode ser o motivo dessas dificuldades.

Sou suspeita para falar sobre a escrita de Kristin Hannah, já que venho nutrindo uma admiração pela autora e por sua capacidade de me prender às páginas, mas me sinto na obrigação de dizer que dos últimos livros da autora que li, este foi um dos que mais preencheu meu coração.

Uma bela e conturbada história sobre família, amor, amizade, perdas e superações.





Sinopse: Nesta antologia de Contos de horror do século XIX, o escritor Alberto Manguel reuniu, especialmente para o público brasileiro, a fina flor do medo. Tão antigo quanto a civilização, o conto de horror define suas regras e chega a seu apogeu na literatura anglo-saxônica, na linhagem de escritores que vai da "gótica" Ann Radcliffe a Edgar Allan Poe e H. P. Lovecraft. Mas Manguel não se contenta apenas com os mestres mais conhecidos do gênero, como Henry James, Guy de Maupassant ou Robert Louis Stevenson. Convoca escritores de toda estatura e de várias línguas, do português de Eça de Queiroz ao íidiche de Lamed Schapiro. 
Organizador: Alberto Manguel | Editora: Companhia das Letras | Páginas: 548 | Ano de lançamento: 2005


Este não é um livro que lhe deixará morrendo de medo e incapaz de dormir à noite, mas lhe proporcionará momentos intensos de insegurança. O receio pelo que virá a cada nova página permeiam estes contos, a todo instante o leitor se questionará sobre o que poderia ser real e da capacidade que o ser humano tem de ser terrível.

Para Jack London o horror não é coisa do além. É a expressão da brutalidade do homem e nada tem de fantástico. Está embutido na realidade, na cerne da condição humana.

Composto por contos distintos e magnificamente escritos, esta obra se mostra completa por trazer histórias que apesar de curtas são envolventes. Algumas podem ser mais tranquilas e discretas, porém a maioria apresenta um grande potencial de surpreender o leitor. Seja por apresentar uma trama com um toque sobrenatural ou por chocar com a realidade cruel do pensamento humano.

Um livro que com certeza merece ser apreciado com calma, um conto por vez, tudo a seu tempo. Tentei lê-lo na sequência em que é apresentado e em curto espaço de tempo, mas acabei o achando cansativo, porém compreendi que comigo a leitura só iria funcionar se eu realmente me entregasse a cada história particularmente, então quando comecei a ler um ou dois por dia e na ordem em que fui achando interessante a leitura fluiu.

Tranque a porta se ficar nervoso. Claro que uma fechadura não pode manter os fantasmas do lado de fora, mas sempre ajo como se pudesse.

Todos os contos possuem introdução construída pelo tradutor, que serve como ótimo complemento às histórias,podendo apresentar uma breve descrição do período em que foram escritas, além de conter algumas informações sobre os autores e suas inspirações.

Esta é uma antologia que recomendo a todos que buscam algo um pouco mais denso. Não espere encontrar contos simples ou rasos neste livro, esteja preparado para ser engolido pelas histórias.

Sinopse: Kate Daltry é uma jovem de 23 anos que não costuma frequentar os salões da alta sociedade. Desde a morte do pai, sete anos antes, ela se vê praticamente presa à propriedade da família, atendendo aos caprichos da madrasta, Mariana. Por isso, quando a detestável mulher a obriga a comparecer a um baile, Kate fica revoltada, mas acaba obedecendo. Lá, conhece o sedutor Gabriel, um príncipe irresistível. E irritante. A atração entre eles é imediata e fulminante, mas ambos sabem que um relacionamento é impossível. Afinal, Gabriel já está prometido a outra mulher – uma princesa! – e precisa com urgência do dote milionário para sustentar o castelo. Ele deveria se empenhar em cortejar sua futura esposa, não Kate, a inteligente e intempestiva mocinha que se recusa a bajulá-lo o tempo todo. No entanto, Gabriel não consegue disfarçar o enorme desejo que sente por ela. Determinado a tê-la para si, o príncipe precisará decidir, de uma vez por todas, quem reinará em seu castelo. 
Autor(a): Eloisa James | Editora: Arqueiro | Páginas: 320 | Ano de lançamento: 2017

Este livro faz parte da série Contos de Fadas, apesar de não ter ligação direta com seu antecessor, esta história permanece com a ideia de promover uma releitura de um conto famoso. Neste caso estamos falando de Cinderela.

Alguns elementos básicos da história original são facilmente reconhecidos neste livro. Temos uma madrasta má, uma irmã ingênua, sapatinhos de cristal, uma protagonista humilde e órfã, até mesmo a madrinha e os ratinhos estão presentes, mas não de uma forma mágica, na verdade nada é mágico nesta história.

Kate é uma jovem que já passou da idade de casar. Como ficou aos cuidados de sua madrasta após a morte de seu pai, ela passou a desempenhar papeis que seriam de uma empregada. Sempre suja, mal vestida e com mãos calejadas a protagonista demonstra ser forte e determinada a viver sua vida da forma que considera possível, sem lamentações, mas não se deixando levar unicamente pela opinião de sua madrasta.

Devido a um incidente, Kate precisará fingir ser sua irmã diante do príncipe para que este dê apoio ao seu casamento. Contra sua vontade acaba concordando, afinal, sua recusa poderia arruinar a vida de Victoria que acabou cometendo alguns deslizes antes de finalmente se casar. Mesmo sendo maltratada pela madrasta, a nova cinderela tem carinho por sua irmã, o que é um pouco diferente do conto original. 

Acredito que por ter gostado tanto de Quando a bela domou a fera (confira aqui a resenha) acabei criando enormes expectativas com este livro, mas me deparei com apenas mais um romance de época. Senti falta de um personagem intenso e determinado, daqueles que parecem ser à frente de seu tempo. Kate que logo no início aparenta ser diferente, aos poucos vai se levando pela paixão e se torna igual a todos.

O período no castelo foram os mais movimentados desta trama, confesso que em muitos momentos acabei achando a leitura morna. Apesar da narrativa rápida e com capítulos curtos, senti uma certa dificuldade para concluir a leitura.

O envolvimento previsível de Kate com o príncipe aconteceu de uma forma um pouco repentina, com o desejo aparecendo logo a primeira vista e consequentemente uma paixão arrebatadora capaz de servir como motivação para modificar alguns planos.

Como romances de época não são o meu ponto forte, pelo menos não os mais comuns onde os personagens se parecem como tantos outros ou que beiram o clichê, acabei não me sentindo presa à esta história. Tenho certeza de que os que gostam do gênero não irão se decepcionar, mas caso você seja como eu e não seja grande fã de romances apenas por ter um casal que se ama e sempre espere algo mais, então talvez não se empolgue tanto.







Sinopse: Duas mulheres uma vermelha e uma prateada contam sua história e revelam seus segredos. Em Canção da Rainha, você terá acesso ao diário da nobre prateada Coriane Jacos, que se torna a primeira esposa do rei Tiberias VI e dá à luz o príncipe herdeiro, Cal tudo isso enquanto luta para sobreviver em meio às intrigas da corte.Já em Cicatrizes de Aço, você terá uma visão de dentro da Guarda Escarlate a partir da perspectiva de Diana Farley, uma das líderes da rebelião vermelha, que tenta expandir o movimento para Norta e acaba encontrando Mare Barrow pelo caminho.Esta edição traz, ainda, um mapa de Norta e um trecho exclusivo de Espada de Vidro, o aguardado segundo volume da série A Rainha Vermelha.

Autor(a): Victoria Aveyard | Editora: Seguinte | Páginas: 232 | Ano de lançamento: 2015


Este livro faz parte da série A rainha vermelha, porém sua leitura não é obrigatória para compreensão da história. Caso você seja curioso, como eu, então vai acabar se rendendo e lendo os contos que fazem parte desta publicação.

Para quem se perguntava como os pais de Cal se conheceram, como a grande rainha acabou falecendo e a terrível Elara conseguiu conquistar seu espaço na corte, este livro lhe trará as respostas. Não espere nada muito profundo, lembre-se que são contos. Apesar de se tratar de algo mais ágil e curto, é suficiente para esclarecer como tudo aconteceu.

Nem o mais bem treinado dos soldados é capaz de resistir ao ataque a sua mente.

O segundo conto já é mais atual em relação aos demais livros, se passando em um período onde a Guarda Escarlate já estava em movimentação, porém os relatos são feitos por Farley, que já ocupava uma posição dentro da revolução que culminou em um movimento épico que mudaria para sempre a história de divisão entre prateados e vermelhos.

Admito que esperava encontrar mais contos, conhecer um pouco melhor o que antecedeu a criação da Guarda, mas a leitura rápida e com poucas páginas, complementaram bem a história desta série. Não influenciaram em nada em minha opinião sobre a história, tão pouco fizeram um grande acréscimo à trama, apenas satisfizeram minha curiosidade.

Ao final também há um trecho de Espada de vidro, então caso ainda não o tenha lido, esta é a oportunidade de ter uma prévia do segundo livro.




Resenhas publicadas da série A rainha vermelha:




Sinopse: Mare Barrow foi capturada e passa os dias presa no palácio, impotente sem seu poder, atormentada por seus erros. Ela está à mercê do garoto por quem um dia se apaixonou, um jovem dissimulado que a enganou e traiu. Agora rei, Maven continua com os planos de sua mãe, fazendo de tudo para manter o controle de Norta — e de sua prisioneira.Enquanto Mare tenta aguentar o peso sufocante das Pedras Silenciosas, o resto da Guarda Escarlate se organiza, treinando e expandindo. Com a rebelião cada vez mais forte, eles param de agir sob as sombras e se preparam para a guerra. Entre eles está Cal, um prateado em meio aos vermelhos. Incapaz de decidir a que lado dedicar sua lealdade, o príncipe exilado só tem uma certeza: ele não vai descansar enquanto não trouxer Mare de volta.
Autor(a): Victoria Aveyard | Editora: Seguinte | Páginas: 552 | Ano de lançamento: 2017

Este é o terceiro livro da série A rainha vermelha

Acredito que será difícil não contar o que aconteceu nos livros anteriores, ainda mais que a própria sinopse já entrega alguns fatos. Mas pode ficar tranquilo, nada que seja peça chave para a trama será revelada nesta resenha.

Mare, a cara da revolução e vista por muitos como líder de um movimento que busca retirar a soberania das mãos dos que possuem sangue prateado, precisará passar por algumas provações. Distante de seus aliados e agora presa no castelo, ela viverá um dia após o outro sem saber o que o destino lhe reserva.

O jovem rei sabe que o certo seria eliminá-la, mas acaba recuando por falta de coragem. Esta escolha poderá trazer à tona sua maior fraqueza e algumas verdades até então escondidas de todos. Não sei dizer ao certo o que vi nele, mas em alguns momentos, apesar de toda maldade, consegui sentir pena. A história de Maven é melhor contada nesta sequência e as dificuldades que precisou enfrentar justificam algumas de suas atitudes.

Por outro lado, Mare parece um pouco mais chatinha que nos livros anteriores. A moça revolucionária, destemida e forte, passa por momentos de confusão e insegurança que não foram capazes de agregar algo à história. Por incrível que pareça, suas fraquezas não a tornaram mais humana. A sensação era de que ela estava se tornando tão vazia e estrategista quanto os reis que tanto abomina.

Quem conhece a escuridão faz qualquer coisa para permanecer na luz.

Neste livro há uma narrativa intercalada, que me deixou um pouco decepcionada. Em alguns momentos o leitor verá os fatos pelos olhos da protagonista, em outro se deparará com situações que se passam em um lugar mais distante e que são contatas por Cameron, uma personagem sem carisma e que não se mostra tão importante à trama. Porém não posso deixar de enaltecer a narrativa de Evangeline, que na minha humilde opinião foi uma das poucas personagens que não perdeu sua essência e mostrou finalmente seu potencial e importância para a história.

A trama continua sendo bem desenvolvida, peças que se encaixam e personagens que representam bem o seu papel, porém sinto que faltou um envolvimento maior entre o livro e eu. Continuo acreditando que esta é uma série muito boa, porém este não é o melhor volume dela. 

Apesar desta insatisfação com alguns detalhes da história, tenho interesse em ler o próximo livro. Estou curiosa para saber o futuro destes personagens e da revolução criada por eles, além de que eu espero ver uma exploração ainda melhor da Evangeline, que até então estava um pouco em segundo plano e se mostrou mais interessante que a própria protagonista.





Resenhas publicadas da série A rainha vermelha:

1- A rainha vermelha
2- Espada de vidro