Sinopse: Lucky ingressou muito cedo no universo do K-pop. Aos dezessete anos, ela é uma febre na Ásia e a grande aposta de sua gravadora para conquistar o Ocidente ― mas ainda tem dúvidas de que essa é a vida que realmente deseja. Por isso, em uma noite pouco antes de viajar para os Estados Unidos, ela resolve sair disfarçada de um hotel em Hong Kong para fazer tudo o que quiser. É então que Lucky encontra Jack, um jovem paparazzo.


Autor(a): Maurene Goo | Editora:  Cia das Letras (Seguinte) | Páginas: 336 | Ano: 2020


Aproveitando os efeitos de Quarentena, não poderia deixar de falar sobre um dos meus gêneros preferidos, que é o Romance (Young Adult), que reúne tudo aquilo que um apaixonado pelo gênero ama: amor, clichê e boas risadas. 

Foi exatamente assim que fiquei, apaixonado pela história e ri bastante com as atitudes impulsivas dos personagens Jack e Lucky, dois adolescentes que sofrem com decisões do futuro, mesmo sabendo o que fariam e quais atitudes deveriam tomar, passam por problemas por terem de tomar decisões e se restringirem a algumas ações. 

Sofrendo uma pressão da parte do pai sobre curso e qual instituição cursar, Jack não sabe como contar que anseia ingressar numa faculdade de artes. Enquanto finge que não decidiu absolutamente nada sobre seu futuro, faz estágio na empresa de seu progenitor e alguns extras para um tablóide sensacionalista, que seu amigo faz parte. 

Um chamado de Trevor (quem participara do tabloide), foi suficiente para um encontro inusitado. Jack teria que ir ao mesmo lugar em que Lucky estava hospedada, um encontro inesperado e que nos gerou muitas emoções e surpresas. 

Ao me deparar com a sinopse desse livro, achei muito interessante, para além de ser um gênero que curto demais, gostei muito do universo que a trama me levaria, uma cantora de K-pop e um paparazzi, havendo uma relação de mentiras e envolvimentos surpresa. 

Maurene nos traz uma linguagem muito fluida e um jeito único de conseguir contar suas histórias, pelo simples fato de nos dar muitos detalhes sem se tornar uma obra massante, que não queremos abandonar nunca! A história se passa em um fim de semana e envolve, na maior parte do tempo, apenas os dois protagonistas enrolados e estabanados pela cidade de Hong Kong. 


“Os comprimidos para dormir eram padrão, todo mundo tomava. Mas o lorazepam… era segredo. Doença mental ainda era um tabu na Coreia do Sul”.


Como a história envolvia uma cantora de K-pop, a autora explorou a situação, que muitas vezes são verdadeiras, dos cantores do gênero. Lucky tinha uma vida totalmente regrada, com dietas e exercícios obsessivos, então somos convidados a uma discussão importante acerca da vida dessas pessoas. Tanto que a protagonista foge do quarto para que conseguisse comer. Tais ações, podem desencadear tantos problemas mentais, que não são aceitos socialmente. Além disso, há uma crítica também a sensos comuns acerca de asiáticos. 

“-Bom, não deveríamos os dois ser bons em matemática, enquanto asiáticos?”

Nos apresentando uma trama com início, meio e fim, muito bem fechado, a história faz com que viajemos pelo mundo de Hong Kong com esses dois protagonistas que adorei conhecer, sendo bem apresentados. O livro traz uma história ótima e não recebe a aclamação devida dos fãs de YA existentes no mundo. Um lugar só nosso é um livro incrível para você conhecer um pouco da cultura asiática, mesmo que breve, e se divertir com os protagonistas, enquanto passeiam pela cidade e conversam sobre si, fazendo arrancar gargalhadas e sorrisos.


Sinopse: E se um grupo de extraterrestres viesse viver no nosso planeta? Quais de nossos costumes seriam mais estranhos a esses novos moradores? O ronronar de um gato, os parabéns em uma festa de aniversário, os sentimentos humanos, a fila do supermercado?Acompanhe o dia a dia dos seres mais divertidos do universo neste livro de tirinhas.
Autor(a): Nathan W Pyle | Editora: Planeta (Minotauro) | Páginas: 144 | Ano: 2020

Um grupo muito simpático, porém um tanto quanto sarcástico, de extraterrestres surge nestes quadrinhos nos mostrando situações típicas do nosso próprio cotidiano.

Ao observar a breve confusão destes personagens em alguns momentos, podemos rir daquilo que nos é tão natural e que por vezes repetimos sem perceber que não há uma grande motivação ou explicação lógica.

Não se tratam de críticas à sociedade como um todo, mas traz de leve um questionamento superficial sobre nosso hábitos, interações e vínculos que tendemos a construir.

Planeta Estranho traz uma leitura rápida e divertida, afinal estamos falando de tirinhas curtas que são bem elaboradas e mesmo com poucos quadros possui início, meio e fim. 

Por se tratar de um livro curto, com poucas páginas, uma linguagem simples e direta, não há muito o que explorar nesta resenha sem me tornar repetitiva. 

Uma boa forma que de tornar mais clara a minha experiência com estes seres de outro mundo é mostrando um pouco do que este livro reserva ao leitor.
Confira abaixo algumas imagens que podem lhe ajudar a compreender um pouco a essência destes personagens.







Sinopse: “Hoje é o dia para você não alimentar expectativas, nem tentar controlar o que não pode, ou se culpar por aquilo que não depende só de você. Desligue o wi-fi do seu coração”Neste livro, a autora do blog “A soma de todos os afetos” mostra porque arrebata seguidores pelas redes sociais. São mais de 2,5 milhões de fãs no Facebook e mais de 150 mil no Instagram.Com crônicas que abordam os amores e as dores da vida real, Fabíola reflete sobre a importância de levarmos uma vida mais leve, de não se cobrar perfeição, de descansar entre momentos apressados, ser gentil com os outros e consigo mesmo.“Deixei meu coração em modo avião. Hoje não quero criar expectativas, controlar o que não posso, me culpar por aquilo que não depende só de mim.”Através do olhar doce e observador, Fabíola reflete sobre como podemos aprender a esperar o momento de agir, da dor amenizar, da ferida sarar e da saudade deixar de doer. Este livro fala ao coração de uma forma única e especial e faz um convite, deixar o coração se acalmar e esperar que a vida te surpreenda.
Autor(a): Fabíola Simões | Editora: Faro | Páginas: 272 | Ano: 2020

Este é um daqueles livros que abraça o leitor, que promove uma sensação gostosa de afago, de compreensão e de esperança.

A autora desenvolveu em seu livro crônicas que se encaixam no cotidiano de muitas pessoas, mas em nenhum momento ela se mostra incisiva ou diz o que é certo ou errado, tão pouco questiona qualquer tipo de decisão, apenas compartilha sua própria experiência e visão dos fatos relacionados a sua própria vida.


"Depois de um tempo, você entende que precisa se agradar em primeiro lugar. Entende que só quem está bem consigo mesmo consegue dar o melhor de si, e por isso não se culpa quando impõe limites, quando não aceita aquele convite, quando diz 'não' àquela solicitação."

Fabíola faz aquele papel de amiga confidente, com diversas histórias de desapego, amor próprio e libertação, daquelas que nos inspiram a gente a querer andar sempre junto e ouvir sempre mais. Uma boa dose de motivação não faz mal a ninguém, não é mesmo?


"Ela sabe de seu valor, de suas lutas e vitórias, e isso lhe assegura que não precisa provar nada pra ninguém. Quem tiver a chance de conhecê-la de verdade vai saber que ela tem suas dificuldades, seus estranhamentos e manias, mas que, acima de tudo, ela não desiste de ser feliz."

Apesar de se tratar de uma narrativa muito leve e descontraída, pronta para ser lida em poucas horas, eu optei por ir com calma. Aproveitei cada momento com este livro como se realmente fosse uma conversa entre amigas, valorizando cada detalhe.

A positividade domina estas páginas e a reflexão é inevitável. Uma forma de ver a vida por outra perspectiva, reconhecendo o poder que temos em relação ao que escolhemos viver, aos vínculos que optamos em manter e nas teimosias que insistimos em seguir.



Sinopse: Eddy de Wind chega a Auschwitz em 1943 com sua esposa, Friedel. Ele é médico e ela é enfermeira. Lá, eles são separados. Friedel vai para o Bloco 10, onde ficam os prisioneiros destinados aos cruéis experimentos médicos do Dr. Mengele. Eddy vai para o Bloco 9, onde trabalha ajudando a cuidar de prisioneiros políticos. Quando a Alemanha está prestes a perder a guerra e os russos se aproximam de Auschwitz, os nazistas fogem do campo. Em uma tentativa de cobrir seus rastros, mandam os prisioneiros sobreviventes, entre eles Friedel, a caminhar em direção à Alemanha. Mais tarde, essas caminhadas foram chamadas de Marchas da Morte. Eddy conseguiu se esconder e ficou no campo, a espera dos russos. Lá, com a memória fresca, começou a escrever sua rotina diária. Descreveu em detalhes as atrocidades que presenciou e o que ouviu de outros prisioneiros, inclusive da mulher. Até hoje, este é o único livro inteiramente escrito dentro do campo de concentração.
Autor(a): Eddy De Wind | Editora: Planeta | Páginas: 240 | Ano: 2020

Eddy tem uma dura história para contar, suas lembranças são tão dolorosas que ele opta por narrá-las como se fosse a vida de outra pessoa.


"Traumatizado, criou o personagem Hans para ser o narrador de sua própria história."


O autor não esconde fatos, tão pouco minimiza a dor que Auschwitz impôs na sua vida e na de sua esposa, mas é possível que o leitor imagine estar lendo uma ficção. Não se engane, a escrita de Eddy é muito boa e fácil de ler, a narrativa transcorre por situações tão cruéis que podemos optar por não acreditar que existiram, mas é a mais pura realidade contada neste diário.

Eddy era médico e nunca imaginou que um dia isso poderia de alguma forma poupar sua vida. Ao ser levado, junto com sua esposa, para o campo de concentração nazista, o protagonista desta história aprendeu a conviver com o medo e a insegurança.


"Sabemos que, para nós, também há um único fim, uma única libertação deste inferno de arame farpado: a morte."


Em um ambiente onde o sofrimento rondava cada corredor, cada metro quadrado, Eddy se viu separado de sua esposa, inseguro pelo futuro de ambos e temendo pela integridade de Friedel, sua amada.

É sabido que os nazistas fizeram experimentos com as mulheres, algumas foram mutiladas, outras testadas de forma mais branda, mas não menos impactante e cruel. Friedel estava a disposição dos médicos do campo de concentração, ali ela não era mais uma cidadã, tão pouco uma enfermeira com anos de experiência, era apenas uma cobaia e Eddy sofria ao lembrar disso.

Muitas pessoas tinham suas vidas nas mãos dos nazistas, eles detinham todo poder sobre cada um daqueles prisioneiros e além de Eddy e Friedel, o leitor poderá conhecer de relance a história de outras pessoas que perderam o direito a liberdade sem que tivessem cometido qualquer crime.

Este é um livro que comove ao mesmo tempo que causa revolta. Acompanhar a trajetória e a luta por sobrevivência de pessoas comuns, como qualquer um de nós, causa um misto de sentimentos. Apesar de ter encontrado nestas páginas uma escrita descomplicada e de certa forma ágil, sugiro aos mais sensíveis que leiam com calma, sem pressa, assim é mais fácil passar por esta triste história com um impacto mais leve.





Sinopse: Margô mora em uma casa caindo aos pedaços, num bairro abandonado, com sua mãe que a ignora há dois anos. Ela se sente invisível, até que a amizade com Judah, seu vizinho cadeirante, muda suas perspectivas e a desperta. Quando uma criança de sete anos desaparece em seu bairro, Margô resolve investigar o caso com a ajuda de Judah e o que ela descobre a transforma por completo.
Agora, determinada a encontrar o mal, caçar todos os molestadores de crianças, torna-se a razão de sua vida. Com o risco de perder tudo, inclusive sua própria alma, Margô embarca num caminho sem volta... E o que isso diz a ela sobre si mesma? Por que decidiu fazer justiça? O que a tornou tão invisível?
Autor(a): Tarryn Fisher | Editora: Faro | Páginas: 256 | Ano: 2020



Margô não se destaca no meio da multidão, nem mesmo na casa que divide somente com a mãe. Filha de uma mulher amarga, com traumas e que infelizmente não é muito boa demonstrando amor, a jovem protagonista se vê como uma garota invisível e insignificante, vivendo apenas um dia após o outro, sem se permitir almejar algo.

"A tristeza é um sentimento em que você pode confiar. É mais forte do que todos os outros. Ela faz com que a felicidade pareca instável e indigna de confiança."

Sua rotina pacata se repetia todos os dias, nada de grandioso acontecia para desviá-la de seu trajeto casa-trabalho. Pelo caminho observava as pessoas, no ônibus conversava com a mesma garotinha de sempre, no trabalho mais uma dose de monotonia, e assim seguiam seus dias normalmente.

Infelizmente em um dia tão comum quanto qualquer outro, Margô viu pela última vez a garotinha do ônibus. O desaparecimento desta criança a motiva a encontrar respostas, sua vida sem graça começa a ser tomada por um sentimento de justiça.

Ao fazer amizade com seu vizinho, o jovem deficiente físico Judah, a protagonista ganha um novo ânimo e a narrativa passa a se desenrolar com um novo ritmo, mais ágil, intenso e surpreendente.

"Eu não nasci com a capacidade de matar. A vida trouxe isso para mim."

A presença de Judah a ajudou a perceber que não era realmente invisível e que poderia ser forte, lhe permitindo explorar situações que antigamente ignoraria. Mais observadora do que antes e muito mais destemida, Margô buscará desvendar o desaparecimento misterioso da garotinha de sete anos com quem conversava no ônibus, assim como se envolverá em outras situações arriscadas e dignas de muita coragem.

Há um momento no livro que me deixou confusa, não posso torná-lo público nesta resenha, pois corro o risco de disparar um forte spoiler, mas creio ser importante que você saiba que você será capaz de duvidar da sua própria percepção dos fatos.

Acredito que preciso dizer que ao concluir a leitura fiquei em dúvida sobre minha opinião a respeito da conclusão, precisei de um tempo para pensar e avaliar o que havia lido nos últimos capítulos.  Não se trata de uma narrativa simples, onde tudo é entregue pronto para o leitor, é possível sim encontrar mais de um desfecho para a evolução da protagonista.






Sinopse: Na maioria do tempo, viver é um mico. Um absurdo. É para os fortes. Sendo assim, ninguém pode dizer o que você deve ou não fazer com a sua vida; pode, no máximo, fazer piada dela. E, isso, deixa com a gente. Coaching consiste em pagar pra alguém (que teve muito menos sucesso na vida que você) ficar botando regra nos seus problemas. É quase como contratar uma blogueira pra ficar dando opinião. Já que tem tanta gente fazendo isso, decidimos pegar a nossa experiência de fracasso e dar um pouco de sabedoria para quem não quer mudar de vida radicalmente, nem enriquecer, nem conquistar todos os homens. Este livro é pra quem quer parar de se importar! Porque você precisa viver sem um monte de regras sobre o que é ser feliz. Você não precisa de coach. Você precisa de FODA-SE.

Autores: Eduardo Camargo e Filipe Oliveira (Diva Depressão) | Editora: Planeta | Páginas: 160 | Ano: 2019

Vivemos um momento onde as pessoas almejam a perfeição nos mais diversos campos da vida, graças a isso encontramos um coach em cada esquina pronto para lhe mostrar quão imperfeito você é. Sempre com frases inspiradoras e palavras difíceis, alguns profissionais deste ramo parecem um tanto quanto exagerados ou podem não passar tanta confiança, mas outros possuem planos tão bem elaborados que nos convencemos de que precisamos deles em nossa vida.

Os autores, Filipe e Eduardo são conhecidos pelo humor ácido e vídeos divertidos produzidos para um canal que faz muito sucesso no Youtube, o Diva Depressão, então é evidente que não se deve esperar truques de empreendedorismo, dicas de relacionamento com o príncipe encantado ou qualquer outra coisa do mundo quântico. 

"Na grande parte do tempo, viver é um mico. Um absurdo. É para os fortes. Sendo assim, ninguém pode cagar regra na sua vida; pode, no máximo, fazer piada dela. E isso deixa com a gente."

Através de uma escrita leve, descontraída e que se utiliza de situações cotidianas da maioria dos reles mortais, os autores desenvolveram uma narrativa envolvente, engraçada e que de certa forma proporciona momentos de reflexão, não com o intuito de lhe mostrar seus erros, mas de lhe mostrar que é tudo normal e natural da vida.

"Até a Barbie Crossfiteira e o Ken Executivo têm suas tretas e infelicidades. Não é o VR alto e o apartamento na Barra que fazem a pessoa dormir tranquila à noite."

Para alguns a verdade pode ser difícil de engolir, mas até mesmo a mais dura realidade ganha uma roupagem cômica e debochada nas páginas deste livro, então fica bem difícil ficar se lamentando enquanto recorda as rasteiras que a vida já deu ou os tombos que você mesmo causou.

Em suma posso dizer que este pode ser um livro que se encaixa na categoria auto-ajuda, mas não se engane, não vai ter passada de pano, nem cafuné, os meninos do Diva Depressão chegam com tudo, não fazem rodeio, muito menos criam um plano elaborado para fazer com que você seja a pessoa mais maravilhosa do mundo todo.

"Não existe gente feia, existe gente pobre com poucos recursos."

Fih e Edu focam na diversão e de quebra tornam evidente que a vida é uma bagunça mesmo, mas que isso não significa que ela seja ruim ou precise ser constantemente ajustada. 




Sinopse: Scott Carey tem muito em que pensar ― o projeto enorme que pegou no trabalho; o casal lésbico que mora na casa ao lado e o cachorro delas, que insiste em fazer as necessidades no seu quintal; e a súbita e inexplicável perda de peso das últimas semanas.
Apesar de não querer ser estudado e examinado, Scott decide compartilhar a questão com seu velho amigo, o dr. Bob Ellis. Afinal, apesar dos números decrescentes na balança, sua aparência continua a mesma ― além disso, seu peso não varia quando está nu ou usando roupas pesadas, quando está de mãos vazias ou carrega algo no colo.
Não importa o que ele faça ou coma, Scott está cada vez mais leve ― embora não mais magro ―, e conforme seu peso se aproxima de zero, ele sabe que logo nada vai prendê-lo ao chão.
Autor(a): Stephen King | Editora: Suma | Páginas: 124 | Ano: 2019

Stephen King a cada dia reforça minha admiração por sua escrita e a sua capacidade de transitar por diversos gêneros sem decepcionar. Este é um livro que passa longe de qualquer sinal de suspense ou terror, carrega consigo uma dose de mistério, mas se prende realmente na crítica à sociedade, reforça a necessidade de estabelecer vínculos de amizade e comunitário e mostra ao leitor que a vida pode ser muito breve e por isso as oportunidades não devem ser perdidas.

Scott é um homem que não tem muito a perder. Não tem mais um grande amor, nem uma família próxima e tão pouco um círculo grande de amigos, contudo segue sua vida normalmente e sem se queixar. Sua única preocupação é a perda constante de peso, que inicialmente era algo sutil, mas que aos poucos se tornou motivo de atenção.

Um dos poucos amigos de Scott é um médico aposentado, Bob. A princípio a relação entre os dois não aparenta ser tão próxima, mas conforme o protagonista passa a compartilhar sua preocupação com o amigo ambos passam a estabelecer um vínculo mais sólido.

Não há explicações em toda história da medicina para a perda de peso de Scott. Não é normal alguém emagrecer todo o dia, mas não diminuir suas medidas corporais. O que estaria acontecendo com ele?

Durante o período em que Scott busca respostas, algumas coisas acontecem em sua vida. O atrito com as vizinhas é algo que o incomoda e agora a perspectiva de ter alguma doença desconhecida o faz reavaliar suas atitudes, ou ao menos a forma como tem se expressado.

As vizinhas do protagonista sofrem diariamente com a homofobia velada da comunidade. Por mais que os demais vizinhos não comentem, ou disfarcem, é nítido o desconforto que eles possuem ao compartilhar o mesmo espaço que o casal de mulheres que mudou há pouco tempo para a cidade.

Neste livro Stephen King traz um protagonista que se destaca pela vontade de fazer o que é certo. Um sujeito que teve sua vida virada de cabeça para baixo, mas que transpassa segurança e uma boa dose de empatia.

Talvez este livro não lhe cause fortes sentimentos ou lhe tire o fôlego, mas acredito que a leitura lhe trará momentos agradáveis de reflexão e uma sensação de que é possível fazer o bem ao próximo, mesmo que em pequenos detalhes.







Sinopse: Os fãs da linha Crime Scene agora têm à disposição uma obra completa e cuidadosamente escrita para estudar o caso de Dennis Rader, o BTK. Em 2005, após a sua prisão e confissão, Dennis Rader teve a sua história contada no filme Hunt for the BTK Killer, de Stephen T. Kay, e também serviu de inspiração para Stephen King no conto Um Bom Casamento. Mindhunter, série da Netflix produzida por Charlize Theron e David Fincher, traz o assassino em destaque em sua segunda temporada, que tem estreia confirmada para agosto deste ano.BTK Profile: Máscara da Maldade é um livro que investiga a mente e o comportamento humano e entra para a Coleção Profile da linha Crime Scene® 
Autor(a): Roy Wenzl [et al] | Editora: Darkside Books | Página: 416 | Ano: 2019

Histórias reais de assassinatos me assustam muito mais do que qualquer trama ricamente elaborada de ficção. Imaginar que posso conviver com pessoas capazes de matar outra pessoa me tira o fôlego, mas também me torna mais atenta.

Este é um livro que sem dúvida alguma me proporcionou uma reflexão sobre o que existe ao meu redor. BTK era um sujeito como qualquer outro que encontro pelas ruas, tinha uma vida tão comum e pacata quanto tantos outros que conheço e interajo, mas ele tinha algo obscuro sendo escondido.


"Matar outra vizinha era um risco - mas por que não? Nove mortos até então, e os policiais ainda não tinham nenhuma pista."

Sua identidade não é mais segredo, então por favor não encare como spoiler o fato de eu mencionar características deste serial killer, mas também não pense que por não se tratar de uma obra de suspense que este livro não lhe surpreenderá.

Por mais que se saiba da crueldade praticada por Dennis, a forma como ele planejava a executava seus planos é magnificamente descrita neste livro. Em alguns momentos a cronologia é tão impecável e a narrativa se mostra tão fluida, que é possível esquecer de que se trata de um compilado de documentos e informações sobre um assassino real.


"Rader era uma criatura de hábitos. Saía para o trabalho no mesmo horário todos dias, pegava o carro para ir almoçar em casa às 12h15 e chegava às 12h18. Como um relógio."

A construção dos capítulos permite que o leitor se perceba imerso em uma narrativa complexa, envolvente, rica e completa.

Por diversos momentos questionei o motivo da demora para a descoberta da idade de BTK. Eu percebia tantas pontas soltas, tantas provas deixadas para trás que acabava esquecendo de que não estava lendo apenas mais um romance policial. As falhas na investigação dizem muito sobre a época em que tudo começou, as conexões que não foram feitas remetem às fragilidades do ser humano. Não se trata de uma história perfeitinha onde cada passo se encaixa no outro.


"Tinha certeza de que seria preso. Mas um dia passou, então outro. Ele assitia à televisão e lia os jornais. Os policiais não tinham descoberto nada."

Este livro lhe entrega tudo, diferente das ficções. Aqui você já sabe quem é o assassino, caso tenha ouvido falar nele então você já sabe a conclusão da história, mas nada disso diminui as surpresas no decorrer da leitura.




Black Friday já passou e o Natal também, mas só quem é apaixonado por livros sabe que todo dia é dia de adquirir um novo companheiro de aventuras, mas como fazer com que todos os desejados caibam no orçamento do mês?

Abaixo seguem algumas dicas e sugestões de como ter novas leituras sem sofrer na hora de pagar.


            Promoção relâmpago       

Algumas lojas online oferecem descontos que duram em média 24h, algumas fazem tanto sucesso que esgotam em poucas horas. Então faça um filtro das lojas que você teve as melhores experiências e comece a garimpar. Eu gosto bastante da entrega da Amazon que costuma ser mais ágil, dos preços da Americanas e da possibilidade que a Saraiva oferece de retirar o pedido na loja e não pagar frete.

Ah, você também pode dar uma pesquisada nas redes sociais, alguns usuários se reúnem em grupos para compartilhar as melhores promoções.

           Cupom de desconto            

Confesso que nem sempre consigo garantir livros em promoções. O tempo por aqui anda meio curto, então muitas vezes não consigo garantir os meus desejados dentro do prazo das ofertas. Uma ótima saída é utilizar cupons de descontoesta é a opção que eu mais uso. 

Sempre que vou comprar algo, agora me refiro a tudo e não somente livros, dou uma olhada no Cupom válido e vejo se tem algum que atenda minha necessidade. É um site super simples e que explica certinho como usar os cupons nas compras, além de sempre ter algum desconto para as lojas online  que eu confio.

                    Trocas                     

Já falei das opções, que para mim são as mais viáveis, de garantir livros novos, mas caso você não esteja querendo comprar e ainda assim não abre mão de uma nova leitura, é possível fazer trocas com outros leitores.

Já fiz boas trocas pelo Skoob e outras meio sofridas, então sugiro que você converse bem com a pessoa com quem irá trocar livros. Troquem fotos, veja se tem recomendações e se possível use a modalidade PLUS, lá é um pouco mais garantido de que o livro realmente chegará na sua casa.


Você tem alguma outra dica para compartilhar com a gente?




Sinopse: O Departamento Nacional de Investigação Criminal de Estocolmo recebe um intrigante vídeo de uma mulher sozinha em seu quarto vestindo uma meia-calça. Ela não sabe que está sendo vigiada, e a polícia não leva as imagens a sério até ela aparecer assassinada. Quando o próximo filme chega, a detetive Margot Silverman tenta identificar a vítima, mas é tarde demais. Fica então claro que um assassino em série aterroriza Estocolmo. Como um voyeur, ele observa e filma suas vítimas dentro de casa, coloca os vídeos no YouTube, e as mata de modo brutal. A polícia chama o psicólogo e hipnotista Erik Maria Bark para ajudar no caso, mas uma sequência de reviravoltas torna a investigação muito mais complexa e perigosa. Será que o enigma pode ser revolvido sem o obstinado detetive Joona Linna, que todos acreditam estar morto?
Autor(a): Lars Kepler | Editora: Alfaguara | Páginas: 560| Ano: 2019

Talvez um livro com aproximadamente 600 páginas possa fazer com que você pense duas vezes antes de ler, mas preciso te contar uma coisa, a maior parte desta história se desenvolve de forma tão ágil e envolvente que é possível que nem perceba que acabou lendo diversos capítulos sem fazer uma pausa sequer.

Em Stalker o leitor se verá diante de um mistério a ser desvendado pela equipe de Investigação Criminal. O que poderia ser apenas mais um maluco que persegue pessoas, se mostra como algo mais sério e difícil de ser compreendido.

Um vídeo é enviado para o departamento de investigação, nele não há violência, tão pouco sinais de que a mulher filmada esteja em perigo, porém este observador anônimo não é tão inofensivo. As imagens são apenas um sinal de algo está errado e merece despertar a atenção dos investigadores. 

Uma pessoa normal em sua casa, vivendo sua rotina habitual e sem qualquer suspeita de que esteja sendo vigiada. Esta é a vítima perfeita para o serial killer que desenvolve tudo com muita cautela, sem deixar rastros e conexões entre os assassinatos. 

A falta de relação entre os crimes torna o trabalho ainda mais complexo para os investigadores. O que levaria o assassino a escolher sua vítima?  Qual o perfil de mulheres deveria ser alertado para que redobrasse o cuidado?

"A ordem da morte é determinada muito antes de o assassino atacar. Isso em teoria deveria nos dar mais tempo, mas não dá, porque o assassino só carrega os vídeos quando já é tarde demais para localizarmos a mulher."

Muitas perguntas surgem no decorrer da narrativa, assim como as respostas se apresentam de forma satisfatória e convincente, demonstrando que o casal de autores sabe construir uma história interessante e que não deixa ponta soltas, agradando aos fãs de thriller.

Saiba que há muito mais nesta história do que apenas uma corrida contra o tempo. Personagens marcantes, intensos e com uma história de vida um tanto quanto conturbada surgirão para movimentar ainda mais a investigação. Até mesmo o sujeito mais pacato esconde algo importante. Não se precipite, as aparências enganam e as histórias podem não ser tão reais.

Obviamente a identidade e as motivações do assassino não serão fáceis de descobrir, nem pela equipe de investigação, nem por você, caro leitor apaixonado por romances policiais de tirar o fôlego. 

Os momentos em que o assassino persegue sua vítima e a forma como as executa são ricamente descritos, sem exageros, mas transmitem facilmente o medo que paira no ar.

Faço apenas uma pequena observação que me impediu de classificar a leitura com a nota máxima. Toda a intensidade da narrativa me deixou maravilhada e ansiando por mais, contudo alguns trechos pareceram um tanto quanto irrelevantes, tirando um pouco da agilidade a qual estava me acostumando. Então caso você também encontre uma certa lentidão em alguns momentos, não desanime, pois vale a pena.