Sinopse: Para proteger o irmão, Sloan foi ao inferno e fez dele seu lar. Ela está presa em um relacionamento com Asa Jackson, um perigoso traficante, e quanto mais os dias passam, mais parece impossível enxergar uma saída. Imersa em uma casa incontrolável que mais parece um quartel geffneral, rodeada por homens que ela teme e sem um minuto de silêncio, também parece impossível encontrar qualquer motivo para se sentir bem. Até Carter surgir em sua vida.
Sloan é a melhor coisa que já aconteceu a Asa. E se você perguntasse ao rapaz, ele diria que também é a melhor coisa que já aconteceu a Sloan. Apesar de a garota não aprovar seu arriscado estilo de vida, Asa faz o que é preciso para permanecer sempre um passo a frente em seu negócio e proteger sua garota. Até Carter surgir em sua vida.
A chegada de Carter pode afetar o frágil equilíbrio que Sloan lutou tanto para conquistar, mas também pode significar sua única saída de uma situação que está ficando insustentável.
Autor(a): Colleen Hoover | Editora: Record | Páginas: 384 | Ano: 2018

Sloan é uma mulher que aprendeu desde cedo que a vida poderia lhe reservar as piores experiências possíveis. Logo pequena ela se viu diante de uma enorme responsabilidade, garantir a sobrevivência de seus irmãos mais novos.

Com uma mãe dependente química, irmãos doentes e a própria vida para administrar, a protagonista precisou encarar de frente os mais intensos e pesados desafios, todos com o único intuito de prover os melhores cuidados aos seus irmãos.

Um trauma a acompanha em sua jornada e outros desafios surgirão para lhe fazer pensar que não há outra saída. Apesar de todos seus esforços, sua vontade de mudar e seu desejo por uma vida melhor, ela não consegue vislumbrar um futuro brilhante, tão pouco uma vida normal e feliz.

Bater de novo em sua porta e pedir ajuda foi a coisa mais difícil que já tive que fazer. Era como se correr de volta para os braços dele fosse o equivalente a renunciar ao meu respeito próprio.

Há muito abuso em sua história, medo, agressões nas mais variadas formas e mesmo assim ela se esforça para dar o seu melhor a quem ela realmente ama, seu irmão que precisa de cuidados médicos caros. Este é seu ponto fraco, sua maior fragilidade e ela não tentará esconder isso. 

Li algumas resenhas que declaravam um certo repúdio à protagonista, questionando suas motivações e duvidando de suas escolhas. Tais comentários me deixaram insegura e com receio de ler este livro, afinal como eu poderia me apegar a uma personagem que muitos alegavam não ter fundamento? Mas a minha curiosidade falou mais alto e eu agradeço muito por isso.

- Você já disse não a ele? Alguma vez pediu que e parasse e ele se recusou?
Sloan reflete por um instante e depois nega com a cabeça.
- Não, eu tinha muito medo para dizer não. Fingia estar de acordo toda vez.

Vi em Sloan muito mais do que uma personagem de ficção, encontrei nela a realidade de muitas mulheres que conheci e que eu sei que ainda vou conhecer. Caso você tenha a tendência de julgar o outro sem sentir sua dor e costuma usar a frase "no lugar dela eu faria diferente" sem nunca ter estendido a mão, então talvez esta não seja a melhor opção de leitura para você.

Em meio ao tráfico, estupros, pobreza e submissão, esta história pede uma boa dose de compaixão e compreensão, afinal cada um sabe até onde consegue ir e qual caminho é capaz de seguir. 

- Asa... Você tinha muito potencial. Mas passou cada dia da sua vida esperando que o mundo retribuísse os anos de merda que teve na infância. Foi nisso que você errou. Esse mundo não nos deve nada, Aceitamos o que recebemos e aproveitamos da melhor forma. Mas você pegou o que recebeu, cagou em cima e ainda esperou mais.

Esta não é uma história fácil de ser lida, principalmente aos leitores que não estão acostumados ou não se identificam com narrativas pesadas e carregadas de descrições fortes e cruéis. Nesta obra há cenas de estupro (não é hot), violência contra mulher, submissão para garantir sobrevivência, tráfico e algumas outras cenas que infelizmente ocorrem fora destas páginas. 

Tive uma vaga impressão de que a autora não sabia ao certo como terminar esta história tão intensa e sofrida. Mas nem mesmo esta escorregada na conclusão foi suficiente para diminuir o impacto que esta trama causou em mim.




Sinopse: Echo Stone acorda suando frio num quarto escuro e desconhecido, sem saber exatamente como foi parar ali. Tentando entender a situação, ela descobre que aquele lugar sombrio é a “Casa do Meio”, um orfanato que abriga crianças e adolescentes. Só tem um problema: Echo não é órfã, seus pais estão vivos! Mas ninguém parece se importar com suas explicações e o único disposto a ajudá-la a fugir dali é Cole. Mas quando a garota consegue voltar pra casa o problema fica ainda pior: uma fita amarela da polícia indica que um crime horrível e violento aconteceu - seu próprio assassinato! Echo está morta e não sabe como isso aconteceu. Desesperada para ter sua vida de volta, ela inicia uma busca para resolver esse enigma e, à medida que cresce a lista de suspeitos, ela descobre que não é a garota boazinha que julgava ser...
Autor(a): Temple Mathews | Editora: Jangada | Páginas: 336 | Ano: 2018

Echo é uma adolescente um pouco confusa, mas também não teria como esperar algo diferente da personagem. Ela acorda em um local totalmente desconhecido, rodeada por outras crianças e adolescentes estranhos e o motivo de estar ali é um mistério, afinal ela tem certeza de que seus pais estão vivos, logo não faz sentido algum estar naquele orfanato longe de sua família que sempre a amou muito.

Sua teimosia faz com que um dos moradores da casa lhe mostre a forma de sair de lá, porém isso não significa que Echo voltará para perto de seus pais, já que ao correr de volta para seu lar ela descobre que algo terrível aconteceu naquela casa. Seus pais choram, há sangue pelo chão e então ela percebe que foi assassinada.

- Ser assassinado é algo pavoroso. Aconteceu com todos nós, da Casa do Meio. A experiência é tão traumática que a consciência da sua alma se estilhaça como vidro, em milhões de pedacinhos.

Engana-se quem imagina que Echo ficará lamentando sua morte. Claro que em alguns momentos o leitor irá se deparar com uma carga emocional maior, afinal estamos falando do drama de uma menina que foi morta e que não descansará até descobrir quem teve coragem de fazer isso a ela, mas isso não significa que a protagonista se torne aquele tipo de personagem que sofre ao extremo e não evolui.

Aos poucos as peças começam a se encaixar, seus novos amigos a auxiliam em todo processo de descoberta e consequentemente ela passa a se libertar do que a prende no orfanato. 

Há suspense nestas páginas, mas não do tipo que proporciona aquela sensação de falta de ar, tão pouco há descrição de crueldade extrema ou qualquer outro elemento comumente encontrado em tramas investigativas onde muitas mortes aconteceram. Então caso você seja aquele tipo de leitor que se impressiona fácil e acaba se afastando de obras deste estilo, saiba que pode ler esta sem receio algum.

Quando soube do lançamento deste livro logo nutri enormes expectativas, mas confesso que esperava algo totalmente diferente do que acabei encontrando nestas páginas. O terror e a tensão deram espaço à uma investigação envolvente e que me deixou emocionalmente abalada. Aquela sensação de medo que eu esperava encontrar, foi substituída por uma vontade de querer consertar tudo que havia dado errado e consolar a pobre Echo.

Li em poucas horas, então posso dizer que a narrativa transcorre de forma descomplicada e leve, mesmo se tratando de uma temática um pouco mais pesada, afinal estamos falando de um orfanato repleto de jovens que foram assassinados e ainda não resolveram algumas pendências.

Sobre o final eu não falarei muito, mas preciso compartilhar um pouco da sensação de impotência que eu senti. Eu criei um final feliz na minha cabeça e não me preparei para a conclusão que viria, então não espere aquele "e viveram felizes para sempre", pois talvez você tenha seu coração compartido como eu tive. Não imagine um final ruim ou repleto de tristeza, mas compreenda que algumas coisas não podem ser modificadas e nem por isso apagam a beleza das últimas páginas.

Sinope: Helena nunca esqueceu o verão que passou na mágica Pandora, a casa de seu padrinho no Chipre, onde, cercada por oliveiras e pelo verde-esmeralda do Mediterrâneo, ela se apaixonou pela primeira vez, aos 15 anos.
Mais de duas décadas depois, tendo herdado a antiga propriedade, ela retorna a Pandora para mais um verão, dessa vez em companhia do marido e dos filhos. No entanto, Helena sabe que voltar àquele lugar pode trazer à tona segredos que ela preferia esconder.
Um desses segredos envolve Alex, seu filho mais velho, fruto de uma relação anterior a seu casamento. Com uma inteligência acima da média, ele vive a difícil transição para a vida adulta e está determinado a descobrir a identidade de seu verdadeiro pai.
Enquanto o verão avança e pessoas do passado de Helena reaparecem, Pandora parece pronta a revelar os mistérios que ocultou por tantos anos e que, uma vez descobertos, farão com que a vida de Helena, e de sua família, nunca mais seja a mesma.
Autor(a): Lucinda Riley | Editora: Arqueiro | Páginas: 464 | Ano: 2018

Helena é uma mulher bonita, esbanja simpatia e é adorada por praticamente todos ao seu redor. Sua alegria é contagiante e sua vida aparenta ser perfeita e tranquila, porém ela possui alguns segredos capazes de modificar a vida das pessoas que mais ama.

De volta à casa de Pandora, um lugar repleto de lembranças e onde viveu durante a adolescência uma paixão arrebatadora, se verá diante de todas as recordações que insistentemente tentou apagar.

Ela não é mais uma menina de quinze anos inconsequente, porém isso não significa que sua estadia por lá seja mais tranquila, ainda mais quando seu amor do passado a visita frequentemente e deixa seu marido incomodado. O que seriam apenas algumas semanas de férias com sua família se tornam dias turbulentos, cansativos e repletos de revelações.

O romance se faz presente nestas páginas, porém há muito mais do que ele para ser explorado. O passado de Helena é composto por tantos mistérios que até mesmo ela desconhece. Seus segredos tão bem guardados abrirão espaço para que outros, até então desconhecidos,  se revelem.

Lucinda Riley costuma ter o poder de me envolver por suas escrita, fazendo com que eu mergulhe de cabeça em suas histórias e me apaixone por seus personagens, porém desta vez tive uma experiência um pouco diferente e menos arrebatadora.

Inicialmente a história parece caminhar lentamente para o que de fato a autora desejou trazer. A trama em si demora para se desenrolar, ganhando agilidade em pontos específicos e ao se aproximar da conclusão. Não me vi torcendo por ninguém, tão pouco desejei amparar Helena, que em alguns momentos aparentava ser uma mulher confusa e que sofria calada por algo.

Alex, o filho mais velho, tem o hábito de registrar seus dias em um diário e isso será mostrado no livro, de forma a intercalar os capítulos. Em alguns momentos o leitor acompanhará o desenrolar dos fatos em tempo real, em outros se verá diante da visão do adolescente sobre o que estaria acontecendo na casa, em sua vida e em seu coração.

Acompanhar estes relatos do adolescente foi outro ponto que nem sempre pareceu útil. Em determinados trechos eu me via diante de alguma situação intensa e que estava prestes a me envolver, então me deparava com o capítulo seguinte onde o garoto falava sobre outra coisa totalmente diferente.

O final foi o que me fez despertar, me empolgando ao trazer diálogos mais fortes, expressivos e reações de alguns personagens que até o momento estavam em segundo plano, um tanto quanto apagados e acomodados. Esta conclusão deu um gás na história e me fez reconhecer a escrita da autora que tanto já me emocionou.


Sinopse: Há vinte anos, Dennis Danson foi preso pelo assassinato brutal de uma jovem no condado de Red River, na Flórida. Agora ele é o assunto de um documentário sobre crimes reais que está lançando um frenesi online para descobrir a verdade e libertar um homem que foi condenado erroneamente. A mil milhas de distância na Inglaterra, Samantha está obcecado com o caso de Dennis. Ela troca cartas com ele e é rapidamente conquistada por seu aparente charme e bondade para ela. Logo ela deixou sua velha vida para se casar com ele e fazer campanha para sua libertação. Mas quando a campanha é bem sucedida e Dennis é libertado, Sam começa a descobrir novos detalhes que sugerem que ele pode não ser tão inocente...
Autor(a): Amy Lloyd | Editora: Faro | Páginas: 276 | Ano: 2018

Dennis é um assassino famoso, por mais que sua culpa nunca tenha sido devidamente comprovada a sua história nunca foi esquecida. Documentários, séries e diversos fóruns online dão conta de sempre reviver o drama que envolveu o condado de Red River.

Há quem confie cegamente em sua inocência e debata sobre o assunto como se fosse realmente fã do sujeito. A cada carta enviada à prisão um burburinho cresce e a esperança de que o próprio Dennis responda deixam os seus fervorosos seguidores ansiosos. Quando falo em seguidor não me refiro a pessoas inspiradas em sua suposta técnica de assassinato, mas sim no fato de estas pessoas confiarem tanto em sua inocência que passam a acompanhá-lo.

Samantha é uma destas pessoas e lhe escreve uma carta. Este é o início de um relacionamento repleto de altos e baixos, mas que deixa clara a fragilidade desta mulher e abre espaço para que o leitor comece a se perguntar de onde vem tanta ingenuidade e fraqueza, o que realmente teria acontecido com ela anos antes ao ponto de fazer com que considere mágico se apaixonar por uma pessoa que mal conhece?

Mesmo que ele jamais seja solto, mesmo que... Eu ainda o amarei. Ainda quero ser sua mulher.

Sam decide se afastar temporariamente de seu emprego e ir em busca de um contato com seu tão desejado correspondente. Diversas visitas ocorrem dentro da prisão e ela não esconde seu interesse pelo suposto criminoso que demonstra sentir o mesmo por ela. 

Toda esta empolgação da protagonista, a paixão arrebatadora e sua ingenuidade me impediram de criar um laço com ela. Constantemente me vi irritada com suas atitudes, suas cenas de ciúmes era tão infantis que cheguei a questionar sua idade. Acabei me apegando mais aos seus defeitos do que em sua trajetória, que convenhamos não foi tão bem explorada.


Havia vezes em que ela se esquecia de que ele não era uma pessoa a ser descoberta, uma narrativa a ser desvendada. Dennis era uma pessoa confusa e complicada. Igualzinho a ela.


Mas a fraca exploração não se restringe apenas à Sam, outros personagens possuem motivações duvidosas e que não são bem explicadas. Há uma tensão no ar, intrigas, mentiras e mistérios que permanecem na minha cabeça, porém a todo instante durante a leitura perguntas surgiram, mas as respostas não pareceram satisfatórias. Tive a impressão de faltar algo, um aprofundamento em situações que para mim eram importantes.

A história em si é muito boa, as reviravoltas foram bem desenvolvidas e a narrativa é ágil ao ponto de eu não ter percebido o tempo passar, porém algumas pontas soltas e a implicância com a protagonista ainda me incomodam um pouco. Apesar de todo clima de romance entre Sam e Dennis, esteja preparado para encontrar uma trama mais pesada e com segredos por toda parte.

Sinopse: Quando Vivian Daly, uma senhora de 91 anos, decide se livrar de seus pertences antigos ela acaba recebendo a ajuda de Molly, uma adolescente órfã e rebelde, que está disposta a prestar serviços para não acabar no reformatório. Revivendo cada momento marcante de sua história, Vivian conta para Molly sobre sua família irlandesa pobre que foi de barco para Nova York em busca de uma nova vida e acabou morta em um incêndio. Sendo a única sobrevivente, ela foi levada por um trem com outras centenas de crianças que teriam seu destino decidido pela sorte. Seriam elas adotadas por famílias gentis e amáveis, ou teriam de encarar uma infância e adolescência de servidão e trabalho pesado?
Autor(a): Christina Baker Kline | Editora: Planeta | Páginas: 304 | Ano: 2014
  
Molly é uma adolescente órfã, pelo menos é assim que ele se define, já que não cogita a possibilidade de encontrar sua mãe biológica. Prestes a completar 18 anos, ela se encontra amparada em uma casa onde visivelmente não é bem recebida, porém o dinheiro que o casal recebe para cuidar dela ajuda muito nas despesas da casa.

Já lhe aconteceram tantas coisas ruins em seus dezessete anos, que ela sempre espera por isso. E quando algo dá certo, ela mal sabe o que pensar.

Uma garota tida como um problema, com um ar mais gótico e atitudes um tanto quanto rebeldes, porém apaixonada por leitura. Esta sua paixão misturada com a rebeldia, a colocam em uma situação complicada, já que decidiu roubar seu livro preferido da biblioteca e deverá pagar por isso com serviços comunitários.

A motivação de Molly para cometer tal ato talvez não pareça convincente para algumas pessoas, mas consegui acreditar no que a havia levado a tal situação, principalmente após conhecer mais profundamente sua história que muito se pareceu com a de Vivian, a senhora a quem foi designada ajudar.

Vivian também se considera órfã, porém sua infância e juventude trazem recordações mais duras, pesadas e tristes. Quando menina ela se viu desamparada, solitária e com muito medo do seu futuro, então foi colocada em um trem que passaria por algumas cidades oferecendo os órfãos que ali estavam para os moradores. As descrições destes momentos são de apertar o coração, imagine uma criança com medo sendo avaliada como mercadoria e sabendo que se não fosse bem julgada poderia morrer de fome.

Você tem que aprender a aceitar o que as pessoas estão dispostas a dar.

Os escolhidos tiveram destinos diferentes. Há quem tenha encontrado uma família que realmente queria um filho, porém outros não tiveram tanto sorte e se tornam mão de obra barata. A própria Vivian viu de perto as mais diferentes formas de ser criada, educada e amada.

Este livro possui uma narrativa que intercala o passado e o presente, explorando as lembranças da velha senhora e seus mais profundos segredos, bem como os mais recentes acontecimentos da vida de Molly e suas fragilidades.

A interação entre as duas se dá de forma gradativa. Não espere encontrar uma amizade repentina e louca paixão entre elas. As duas passaram por grandes dificuldades e a desconfiança faz parte de suas trajetórias, porém elas possuem muito a oferecer uma à outra e descobrirão isso conforme suas histórias comecem a se revelar.

Não vejo esta obra como algo que arrancará rios de lágrimas do leitores, mas em diversos momentos trará um misto de sentimentos capazes de provocar comoção, compaixão e aquele desejo para que no final tudo dê certo. Se você procura uma leitura rápida, com um conteúdo envolvente, mas que não irá lhe deixar triste e pensativa, esta é uma boa opção.


Sinopse: O corpo de um menino de onze anos é encontrado abandonado no parque de Flint City, brutalmente assassinado. Testemunhas e impressões digitais apontam o criminoso como uma das figuras mais conhecidas da cidade — Terry Maitland, treinador da Liga Infantil de beisebol, professor de inglês, casado e pai de duas filhas.O detetive Ralph Anderson não hesita em ordenar uma prisão rápida e bastante pública, fazendo com que em pouco tempo toda a cidade saiba que o Treinador T é o principal suspeito do crime. Maitland tem um álibi, mas Anderson e o promotor público logo têm amostras de DNA para corroborar a acusação. O caso parece resolvido.Mas conforme a investigação se desenrola, a história se transforma em uma montanha-russa, cheia de tensão e suspense. Terry Maitland parece ser uma boa pessoa, mas será que isso não passa de uma máscara? A aterrorizante resposta é o que faz desta uma das histórias mais perturbadoras de Stephen King.
Autor(a): Stephen King | Editora: Suma | Páginas: 528 | Ano: 2018

Não é novidade alguma que Stephen King constrói suas obras com elementos intensos e capazes de surpreender. Até mesmo seus livros menos famosos ou nem tão incríveis conseguem transportar o leitor para dentro das páginas e com Outsider não poderia ser diferente.

Desta vez o leitor mergulhará em uma instigante investigação policial, que aparentemente pode soar como tantas outras, mas que aos poucos passa a se revelar como algo capaz de colocar em dúvida até mesmo o mais experiente investigador.

Em uma cidade pequena, onde todos se conhecem, acontece o assassinato brutal de um menino de apenas onze anos. As circunstâncias em que ele foi encontrado despertam horror e raiva nos moradores, além da necessidade de se fazer justiça, porém ninguém imaginaria que o principal suspeito seria um dos homens mais admirados.

Todos os indícios apontam para o treinador e professor Terry Maitland. Suas impressões digitais estão por toda parte, seu DNA foi testado e se relacionava diretamente com amostras encontradas na cena do crime, até mesmo os moradores da cidade o viram em situações suspeitas. Como poderia um homem tão amado pelas crianças, aquele que lhes deu motivos para sonhar, fosse o responsável pelo assassinato de um menininho?

Ele não está no inferno. Ele carrega o inferno

Se você está começando a se perguntar sobre as motivações de Terry, preciso lhe dizer que este não é o ponto central desta história. Há algo mais intrigante do que seu impulso assassino. Como poderia ele ter sido visto por tantas pessoas próximo à cena do crime, se ele nem mesmo estava na cidade?

Apesar de estar sempre preparada para uma narrativa mais arrastada e repleta de detalhes, como costumam ser as obras do autor, me vi diante de uma história que a todo instante apresentava informações relevantes e úteis para o desenrolar da trama, não encontrei aquela enrolação habitual e que às vezes parece sem sentido.

As pessoas são cegas para explicações que fogem à percepção que têm da realidade.

Mesmo não se tratando de algo incrivelmente ágil, King construiu uma história mais dinâmica e tão bem amarrada que dificulta ao leitor descobrir o que há por trás. Não espere encontrar aquelas pistas que facilitam a resolução do mistério, mas se for bem atento aos detalhes talvez comece a criar teorias, mas preciso lhe avisar que esta não é uma investigação comum, então deixe sua mente bem aberta.

Confesso que eu esperava um pouco mais do final, talvez pelo fato de eu ter me envolvido muito mais por esta história do que imaginava, acabei criando uma expectativa extra pela conclusão e me vi diante de algo mais corrido e sem grande exploração, porém este detalhe não desmerece a obra em si, apenas desacelera um pouco e me permitiu recuperar o fôlego que o desenrolar da trama acabou sugando.






Sinopse: A continuação de Quatro vidas de um cachorro, o best-seller do The New York Times que emocionou milhões!Amigão, agora um cão velho que sentiu que cumpriu o seu objetivo de vida (ou vidas) vive feliz com Hannah. Porém, quando Gloria, uma aspirante a cantora, chega com Clarity, uma neta que Hannah não sabia que existia, Amigão se responsabiliza pelo bem-estar da menina, em especial ao ver o quanto Gloria não se importa com a própria filha. Assim, uma nova jornada começa, e o animal tem um novo objetivo: proteger e amar Clarity da forma incondicional que apenas um cachorro pode fazer.
Autor(a): W. Bruce Cameron | Editora: HarperCollins | Páginas: 320 | Ano: 2018

Há alguns anos li uma história muito linda onde um cachorro narrava suas quatro vidas, demonstrando todo aprendizado que havia adquirido depois de tantas dificuldades. Suas vidas lhe mostraram o significado de sua existência e sua tarefa mais importante no mundo, mas teria ela acabado junto com o livro?

                Meu nome era Amigão. Mas antes disso, foi Ellie, e antes disso, foi Bailey, e antes de Bailey, Toby. Eu era um bom menino que havia amado meu menino Ethan e cuidando de seus filhos.

Em Juntos para sempre tive uma imensa alegria ao rever Amigão, toda sua sabedoria e alegria permaneceram contagiando as páginas e exalando amor a cada palavra. Deste vez com uma nova companheira, ele se verá diante de novas dificuldades e um longo caminho até que seu objetivo seja alcançado, porém com uma vantagem, ele não é mais aquele filhote de primeira viagem, tão pouco inexperiente.  

A possibilidade de olhar para os lados e conseguir visualizar muito do que é abordado nestas páginas proporciona momentos de reflexão. Não somente sobre como cuidamos dos nossos animais de estimação, mas também sobre como andam nossas relações, planos e até mesmo nossa saúde. 

                Não nos esquecemos da aparência de uma pessoa depois de passar horas e horas olhando para ela, mesmo que ela mude um pouco. E apesar de haver um monte de odores a meu redor naquele lugar, ainda assim eu conseguia sentir o cheiro dela trazido pelo vento.

Apesar do livro ser narrado a partir do ponto de vista de um cão, todo e qualquer relato aparenta ser totalmente real. Nem tudo é perfeito na vida do Amigão e isso dá um toque de veracidade aos fatos e permite que o leitor se torne a cada momento mais próximo do cachorrinho e de sua história.

Esta sequência de Quatro vidas de um cachorro talvez não proporcione intensos momentos dramáticos, mas confesso que ao me deparar com o final desta longa jornada meu olhos ficaram levemente marejados. A mensagem que este livro deixa para o leitor é simplesmente linda, os laços de amizade e amor que se constroem com o passar do tempo se tornam eternos e necessários.

                A presença dela em minha jornada foi o ponto central da minha existência, foi o que me possibilitou ajudar as pessoas que ficam em suas camas em quartos, para que lutem contra seus medos e encontrem a paz e a aceitação.

Um simples cãozinho tem muito a ensinar ao leitor que estiver disposto a abrir o seu coração e dispor de um pouco de seu tempo, já que a leitura tem tudo para transcorrer de forma rápida e envolvente, trazendo em cada novo capítulo um desejo constante para que tudo termine bem.


Sinopse: Em Dança da Escuridão, a aguardada sequência de Horror na Colina de Darrington, Ben Simons desperta abruptamente e se vê amarrado a uma cadeira de metal, imerso no breu de um local desconhecido. A voz que grita é a de um homem misterioso e sem escrúpulos, que não poupará esforços para extrair de seu interior a obscura confirmação que tanto deseja... o mal presente na sua origem. Agora, para entender o que aquilo significa, o que o colocou na situação de alvo da seita, e tentar salvar todos que estão em perigo por sua causa, ele precisará remontar seus passos desde muito antes da fuga do sanatório ou do episódio na Colina de Darrington e confrontar os tentáculos da aterrorizante organização, que se mostram cada vez mais presentes em todos os lugares. QUANTO DO BOM MENINO AINDA RESTA? O QUANTO AGORA É ESCURIDÃO?
Autor(a): Marcus Barcelos | Editora: Faro | Páginas: 256| Ano: 2018

Não contém spoilers do livro anterior.

Ben carrega consigo marcas tão profundas que não podem ser apagadas e lembranças tão dolorosas que o colocam em uma constante sensação de perigo. Ele não está sozinho e talvez seu atual companheiro o leve para um caminho sem volta.

Não ande pela noite, ele pode ver. Seja um bom menino, não tente se esconder...

Com uma narrativa ágil e repleta de revelações, o leitor se vê imerso em uma realidade sombria e cruel, onde a ambição e a busca constante por poder é capaz de arruinar a vida de muitas pessoas, sendo possível trazer à tona uma força sobrenatural incapaz de ser controlada.

Oh-oh! Conversar com vozes que não existem é o primeiro sinal de insanidade! Acho que o bom menino finalmente perdeu o que lhe restava de juízo.

Quem já leu Horror na Colina de Darrington pode imaginar do que estou falando, ou talvez até mesmo passe a criar hipóteses sobre o que teria acontecido após aquela terrível noite, mas saibam que há muito a se conhecer ainda e que em Dança da escuridão todas as respostas serão dadas de forma satisfatória e sem deixar pontas soltas.

Eu vejo o seu interior e sou exatamente aquilo que você mais teme. Sou o que há de pior em você.

Caso você não tenha lido o primeiro livro pode ficar tranquilo, pois o autor desenvolveu uma história intensa e que mesmo se tratando de uma continuação, contextualiza perfeitamente todos os fatos mais importantes. Então não se preocupe, não há a mínima possibilidade de se ver confuso diante da trama, porém deixo um aviso: se puder leia o anterior, a experiência será ainda mais incrível.

Esta casa amaldiçoada, onde a morte parece emanar de todos os cantos, onde a escuridão é infinita.

Costumo sempre ficar com um pé atrás quando inicio a leitura de alguma obra que seja continuação de outra, pois há a chance de eu chegar cheia de expectativas e me deparar com algo que não acrescenta em nada a anterior, porém fui gratamente surpreendida com este livro.

Marcus Barcelos soube aproveitar perfeitamente as pontas soltas de Horror na Colina de Darrington e trouxe ao leitor, que já ansiava por respostas, uma trama bem construída, completa, convincente e que apesar de trazer a resolução de todos os mistérios, soube introduzir novas peças e personagens sem que se tornassem desnecessários.

*Resenha do livro anterior: 


Sinopse: Segundo Barbara Ann Brennan, nosso corpo físico existe dentro de um (corpo) mais amplo, um campo de energia humana ou aura. Com clareza de estilo, a autora apresenta um estudo profundo sobre este campo energético.
Autor(a): Barbara Ann Brennan | Editora: Pensamento | Páginas: 392 | Ano: 2018 | Edição: 22º

Se utilizando de uma linguagem de fácil compreensão, mas nem por isso deixando de lado o caráter técnico e por vezes se utilizando de termo característicos de sua formação, a autora desenvolveu neste livro capítulos capazes de proporcionar conhecimento necessário sobre o tema. 

Aos que nutrem alguma curiosidade a respeito, aviso que esta obra abordará elementos necessários para compreensão do assunto, se utilizando de embasamento científico afim de concretizar e tornar ainda mais reais as informações, bem como relatos de experiências e imagens úteis para que o leitor visualize de forma mais claro o que lhe é ensinado.


Diversos exercícios são propostos no decorrer da leitura, alguns confesso que eu já conhecia, porém outros foram úteis para que eu pudesse me conectar melhor ao que a autora vinha propondo.

Saí um pouco da minha zona de conforto, arrisquei uma leitura um pouco mais técnica e que não me levaria para alguma nova ficção. Então se você busca uma  leitura que lhe apresente informações úteis relacionadas às energias que emanam de nosso corpo e do universo, este é o livro certo.

Mãos de luz é uma ótima opção para quem busca uma boa e sólida introdução no campo da energia humana, principalmente no que se relaciona com técnicas para utilizá-la em processos de cura. Uma leitura para ser apreciada sem pressa, sem a brusca necessidade de chegar ao fim. Então aproveite o que Barbara tem para lhe ensinar, compartilhe de suas experiências e abra sua mente para algo grandioso.


Sinopse: Cinco estranhos e uma coisa em comum: a caça ao tesouro. Achar as pistas nesta guerra definirá o destino da humanidade.Em um futuro não muito distante, as pessoas abriram mão da vida real para viver em uma plataforma chamada Oasis. Neste mundo distópico, pistas são deixadas pelo criador do programa e quem achá-las herdará toda a sua fortuna.Como a maior parte da humanidade, o jovem Wade Watts escapa de sua miséria em Oasis. Mas ter achado a primeira pista para o tesouro deixou sua vida bastante complicada. De repente, parece que o mundo inteiro acompanha seus passos, e outros competidores se juntam à caçada. Só ele sabe onde encontrar as outras pistas: filmes, séries e músicas de uma época que o mundo era um bom lugar para viver. Para Wade, o que resta é vencer – pois esta é a única chance de sobrevivência. A vida, os perigos, e o amor agora estão mais reais do que nunca.
Autor(a): Ernest Cline | Editora: Leya | Páginas: 464 | Ano: 2018 | Edição:

Logo no início confesso que senti um certo tédio, a narrativa não começa com ação, tão pouco me proporcionou a certeza de que encontraria algo a mais nesta trama, mas como a vida é feita de surpresas, fui agarrada pela trama conforme ela foi evoluindo.

Esta história se passa em uma realidade onde a tecnologia faz parte do cotidiano das pessoas, possibilitando que estas interajam com o mundo inteiro através de avatares em jogos, ou até mesmo que deixem de frequentar presencialmente as aulas, mas nem por isso deixem de fazer parte de uma sala virtual com direito à representação gráfica. Convenhamos que tais elementos são bem possíveis de imaginar na nossa realidade, então por mais fictícia que seja, ainda assim se torna fácil visualizá-la de uma forma mais concreta.


As linhas de distinção entre a identidade real de uma pessoa e a de seu avatar começaram a se misturar.

Oasis é uma plataforma online onde todos, independente da idade, se conectem com o mundo real ou se aventurem em diversos mundos fantásticos desenvolvidos por seu criador, que ao falecer deixou um desafio aos seus usuários: quem encontrar o Easter Egg escondido em Oasis, será o herdeiro de sua fortuna. 

Não nego, logo que me deparei com a disputa pela herança me lembrei de Willy Wonka, aquele homem excêntrico, sem herdeiros, mas que procura a melhor criança para ocupar seu lugar na Fantástica Fábrica de Chocolates. A história não foge muito desta ideia inicial, porém ganha toques incríveis de aventura, ação, intrigas e muita adrenalina.

Wade é um menino que passou por grandes dificuldades na vida, desde cedo ele aprendeu que nada seria fácil e que precisaria aprender a lidar com os obstáculos que encontraria em seu caminho. Sempre muito esperto e utilizando sua inteligência a seu favor, o jovem se mostra apto a enfrentar os mais terríveis adversários desta competição que promete mudar a vida do ganhador.


Quando comecei a procurar pelo ovo, o futuro deixou de parecer tão sombrio.

Com diversas referências a filmes, games, livros e música, a história transporta o leitor para dentro das páginas. Em alguns momentos tantas menções podem cansar, porém em outros elas são úteis e complementam a trama na medida certa. Mas se você for como eu, meio esquecido e acha que não vai conseguir pegar todas as ligações, relaxe, pois é possível compreender tudo.

A disputa pelo primeiro lugar desta competição será capaz de aproximar pessoas ao ponto de criar laços de amizades, porém também atrairá participantes não tão bem intencionados e que não ousarão colocar vidas em risco para chegar mais perto dos portões que escondem os segredos.

O melhor ainda era que, no OASIS, ninguém sabia que eu era gordo, tinha espinha ou que usava as mesmas roupas feias toda semana. Os valentões não podiam cuspir em mim, encarar-me ou me bater depois da aula. Ninguém podia me tocar. Ali dentro, eu estava seguro.

Apenas uma coisa me incomodou neste livro, mas foi tão pequena e compreensível que não se tornou significante o suficiente para me fazer diminuir a avaliação final.

Como toda história adolescente, há um romance pairando pelo ar e isso me deixou um pouco entediada. Não que eu seja contra a inserção de pares românticos nas tramas, mas em um momento em específico achei que tal paixão adolescente quebrou o clima eletrizante que a narrativa estava construindo.

Com uma história que se inicia lenta, mas ganha uma agilidade envolvente com o passar dos capítulos e com personagens explorados na medida certa, este livro caminha para uma experiência de leitura envolvente, divertida e digna de tirar o fôlego de todos, principalmente dos apaixonados por games.