Hoje é um dia de comemoração para todos os amantes do mundo geek e nerd, caso você não tenha percebido ainda hoje é dia 25, também conhecido como O dia da toalha (ou Dia do orgulho nerd para outros). Então nada mais empolgante que compartilhar com vocês minha lista de itens desejados, amados e geeks/nerds.

Estão prontos? Então pegue sua toalha e prepare-se para conhecer meus artigos preferidos da Geek 10.






Esses foram os modelos que eu mais gostei e que eu acho que combinam melhor com a minha estante. Apaixonados por livros sabem como uma aparador de livros é importante, então a gente une o útil ao belo!


Almofada de pescoço




Outro item que eu AMO são almofadas, principalmente estas de pescoço. Quem passa o dia sentado lendo ou assistindo séries sabe como essas belezinhas fazem a diferença no quesito conforto.


Carteiras




Para os fãs de quadrinhos/filmes da DC a loja traz uma variedade muito bacana de itens, incluindo carteiras para todos os gostos e com modelos diferentes. Eu estou doida para comprar essas duas da Mulher Maravilha.


Copos / Taças



Sou do tipo de pessoa que vai no cinema só para comprar os copos de brindes, mesmo se já tiver assistido a todos os filmes em cartaz, então é claro que eu estou aqui apaixonada por todos os copos da loja, mas selecionei alguns para mostrar os diferentes modelos que você encontrar por lá.


Blocos de anotações




Como uma boa apaixonada por papelaria não poderia encerrar esse post sem falar em blocos de anotações, ainda mais quando eles representam coisas que eu gosto. Vontade de comprar todos e montar uma coleção.

____

Gostou desta pequena prévia sobre a Geek10? Então aproveite para ver tudo o que tem por lá visitando o site: www.geek10.com.br
Também aproveite para visitar a fanpage da loja e ficar por dentro de todas as novidades: www.facebook.com/lojageek10.

Ah e tem cupom de desconto de 5% para vocês aproveitarem, é só colocar lá no carrinho: #VALARMORGHULIS




Sinopse: Olive Corbett não é louca.Ela já foi bonita, divertida e a melhor amiga de Katie, a garota mais popular da escola. Agora, Olive não se reconhece mais… Depois do “incidente”, o que ela mais quer é ficar sozinha e evitar problemas.
E tudo vai bem até a chegada da estranha e misteriosa Miranda Vaile. 
Há algo muito perigoso no ar e, para descobrir o que é, Olive tem que ir realmente fundo nessa história. Mas como fazer isso se ela mesma é uma vítima? Como proteger quem ela ama?

Autor(a): Em Bailey | Editora: Onyria | Páginas: 292 | Ano de lançamento: 2017 | Compre aqui: Loja da editora

Olive é uma adolescente que passou por situações complicadas em sua vida, desde que seu pai se foi muita coisa mudou. Tais mudanças a obrigaram a se posicionar em relação a algumas escolhas e desta forma optou por mudar radicalmente sua forma de agir e interagir com os demais. Antes ela era amiga de Katie, a menina mais popular da escola, se vestia bem, era vista como extrovertida e engraçada, agora ela se isola e conversa apenas com Ami, sua única amiga.

Vivendo uma realidade confortável, sem se expor a situações que a colocassem em evidência, Olive vai seguindo sua vida da forma como encara ser a certa. Após um "incidente" a protagonista assumiu uma nova personalidade que a protege.

Inicialmente eu não levei muita fé na história, confesso que estava achando uma narrativa adolescente demais para mim. A impressão que eu tive era de que se tratava apenas de mais um livro que relata as diferenças entre as garotas populares e as excluídas, já que eram constantes os momentos em que Olive e sua antiga melhor amiga se encontravam e não se davam bem, além das provocações e críticas ao modo de agir de cada uma.


Estava tudo calmo, na medida do possível, até que Miranda surgiu para movimentar a história, com um ar misterioso a aluna nova passa a se aproximar de Katie, porém a protagonista desta história passa a reparar que a nova aluna não é tão boa como parece. Mesmo não acreditando nos boatos sobre Miranda ter alguma relação com a morte de seus próprios pais, Olive a observa com atenção e curiosidade, mas ela não imagina que  esse interesse pela novata possa lhe causar momentos de grande risco.

Através de passagens interessantes e bem escritas a autora vai mostrando ao leitor quem é Miranda, quem é essa jovem bonita e misteriosa que a própria família não quer por perto. Se há algo de errado com ela, ou se é apenas mais uma vítima de problemas familiares o leitor poderá descobrir aos poucos junto com Olive.

Mas até que ponto é real e onde passa a ser fantasia? Bom, aí você precisará ler Shift e decidir se confiará nos julgamentos da jovem Olive, ou se passará a acreditar que ela está delirando e com inveja da garota que surgiu para ocupar seu lugar na vida de sua antiga melhor amiga.

Ao se encaminhar para o final a trama passa a se tornar impactante, com momentos breves de crueldade cujo intuito é de destabilizar psicologicamente alguns personagens, ou seja, aquela história que inicialmente me parecia ser apenas mais uma narrativa sobre disputa entre adolescentes rivais, se mostra mais complexa e séria do que eu poderia imaginar que se tornaria.



Sinopse: Com uma carreira bem-sucedida, uma linda esposa e uma adorável filha de 6 anos, Russell Green tem uma vida de dar inveja. Ele está tão certo de que essa paz reinará para sempre que não percebe quando a situação começa a sair dos trilhos.
Em questão de meses, Russ perde o emprego e a confiança da esposa, que se afasta dele e se vê obrigada a voltar a trabalhar. Precisando lutar para se adaptar a uma nova realidade, ele se desdobra para cuidar da filhinha, London, e começa a reinventar a vida profissional e afetiva – e a se abrir para antigas e novas emoções.
Autor(a): Nicholas Sparks | Editora: Arqueiro | Páginas: 512 | Ano de lançamento: 2017 | Compre aqui: Saraiva, Americanas, Submarino

Não é segredo algum minha paixão pelos livros do Nicholas Sparks, este autor possui o dom de me envolver por suas histórias, me emocionar a cada leitura e me prender a cada nova página. Talvez por eu sempre esperar o máximo das obras do autor passe a cultivar expectativas enormes e isso pode ser um risco.

Em Dois a Dois o autor nos apresenta Russell, um homem com um trabalho que não o deixa feliz, mas que paga suas contas e permite que sua mulher e filha vivam com um certo conforto. Vivian, sua esposa, também possuía uma ótima carreira, mas abriu mão de tudo para criar sua pequena e doce filha, London.

Até então esta é uma história comum e se mostra como a realidade de muitas pessoas, porém nem tudo precisa se manter estável se isso significa que alguém não está feliz e é pensando nisso que Russ decide se demitir e criar sua própria agência de publicidade, deixando sua esposa nervosa, insegura e a cada dia mais irritante. O futuro financeiro da família já não é mais algo concreto e estável e é aí que as relações começam a enfraquecer.


Admito que me incomodei muito com determinadas atitudes da esposa do protagonista, que em diversos momentos pensava apenas em si e no seu conforto, mas aos poucos fui percebendo que ela agia de acordo com seus sentimentos reprimidos, então acabei relevando ao final de tudo.

Todos os personagens desta história são encantadores, desde a chatinha da Vivian até a mãe do melhor amigo de London. Cada um possui sua história, medos e sonhos, e desta forma se tornam importantes para o desenvolvimento desta trama.

Tudo se encaixa, todas as situações foram criadas por algum motivo, mas apesar de encontrar neste livro uma boa escrita característica do Sparks, ainda assim senti que faltava algo, não consegui sentir que estava realmente lendo algo de um dos meus autores preferidos.

A história é muito bem desenvolvida, em relação a isso eu realmente não tenho o que questionar, tão pouco sobre o carisma dos personagens que contagiam o leitor, porém não me emocionei. Cheguei a me sentir cansada em alguns capítulos, como se estivesse presa em algumas páginas que não desenrolavam o assunto e se aprofundavam em passagens repetitivas e óbvias.

Não digo que seja um livro ruim, apenas não atendeu a todas as minhas expectativas, então caso ainda não tenha lido, por favor, não desanime por minha causa, principalmente se histórias com toque de realidade são as que você busca. Leia e me conte a sua opinião sobre esta história!




Sinopse: Bem-vindo a Walls of Waters, um lugar onde o aroma das flores envolve o ar e os pássaros parecem ter algo a dizer. Essa é a cidade onde vive Willa Jackson, uma jovem descendente de uma família falida que luta para esquecer a imagem da garota inconsequente que já foi um dia. Quando sua ex-companheira de colégio e socialite perfeita Paxton Osgood a convida para a festa de 75 anos do Clube Social Feminino, ela fica receosa em comparecer por sentir que não faz parte daquele mundo... No entanto, a ocasião acabará se revelando uma excelente oportunidade para Willa desenterrar fatos surpreendentes que reverberam até hoje em sua própria história. Qual é o segredo que une famílias Jackson e Osgood? Será que a verdadeira amizade consegue transpor as barreiras do tempo? Deixe-se inebriar por esse romance que une realismo e magia de forma envolvente, e descubra quão delicado e importante é o papel dos amigos em nossa vida.
Autor(a): Sarah Addison Allen | Editora: Planeta de Livros | Páginas: 256 | Ano de lançamento: 2013 | Compre aqui: Saraiva, Submarino, Americanas

Este é um daqueles livros onde a capa não mente, mesmo que ela não represente fielmente a história a sua delicadeza combina perfeitamente com os sentimentos que a escrita de Sarah proporciona ao leitor.

Uma narrativa gostosa de ser lida e pronta para revelar aos poucos o que há por trás da história que uniu e separou a família de Willa e Paxton enquanto suas avós ainda eram jovens. As duas são muito diferentes, enquanto Willa era a rebelde da escola e hoje possui uma vida pacata, mas satisfatória, Paxton sempre foi a popular e nada mudou em relação a isso, sempre envolvida em eventos da alta sociedade, porém está longe de se considerar uma mulher feliz. A diferença entre elas é fundamental para compreender o que pode as aproximar.

Paxton, como atual presidente do Clube Social Feminino - criado por sua avó e de Willa - organiza um evento grandioso com o intuito de comemorar o 75º aniversário de fundação do Clube,  o lugar escolhido não poderia ser outro se não a Blue Ridge Madam, um lugar lindo, mas com histórias não tão bonitas. O Madam possui histórico de lendas envolvendo espíritos e não há um morador na cidade que não tenha ouvido falar delas, mas não são as lendas que irão nortear essa história e sim o que há de verdade que nunca foi dito. 

O motivo para elas terem fundado o clube tinha a ver com o Madam. Era só uma questão de tempo até que tudo viesse à tona.

No decorrer da história há a inserção de momentos mágicos, principalmente envolvendo a história da Blue Ridge Madam, mas tudo muito superficial e leve, admito que eu esperava algo mais grandioso, mas ao concluir a leitura entendi que na verdade a magia presente em O pessegueiro foi dosada na medida certa para não ofuscar outros momentos mais importantes.

As superstições são a forma de o homem tentar controlar coisas de que não tem controle algum.
Willa terá a oportunidade de encontrar a resposta para algumas de suas perguntas sobre sua origem, sobre o passado de sua família que foi muito rica, mas que perdeu tudo logo que sua avó engravidou. Paxton caminhará em busca de respostas para suas perguntas pessoais, sobre sua própria vida e se o caminho que está seguindo é o melhor. Mas o centro real desta história são as avós, aquelas que conhecem a verdadeira história da Madam.

Quando você fica sabendo o segredo de alguém, seus próprios segredos já não estão mais seguros. Ao desencavar um, todos vêm à tona.

Sem dúvida alguma esta é uma história que encanta através de sua simplicidade e que envolve pelos bons sentimentos presentes a cada novo capítulo. Não se deixe enganar, este não é mais um livro de amor ou de superação, é um livro de amizade, de companheirismo e de fidelidade. Finalizei a leitura com um sentimento tão bom que nem percebi que tinha passado a noite inteira lendo.

A felicidade é um risco. Se você não sentir um pouquinho de medo, não está fazendo a coisa certa.



Nerve é um filme bem atual, com uma história que a cada dia eu imagino que seja ainda mais possível de existir, já que estamos em uma onda de desafios que testam a coragem dos jovens.

Vee, a protagonista deste filme, é uma garota como outra qualquer. Um pouco tímida, com poucos amigos, mas que se mantém feliz ao seu modo, pelo menos essa é a impressão que passa até ser apresentada ao game Nerve, onde sua grande amiga cumpria diversos desafios em busca de popularidade e dinheiro.


Ao se sentir excluída, já que todos estavam na plataforma online acompanhando os desafios alheios ou participando deles, Vee acaba optando por conhecer melhor como funciona a Nerve, mas sem grandes pretensões, apenas por curiosidade. Porém uma vez que se entra nestes desafios, não se sai facilmente.

No decorrer do filme a trama deixa evidente a necessidade de ser notado, pois nenhum dos participantes do jogo está nele atoa, todos os desafios são transmitidos em tempo real e a busca por seguidores é constante, quanto mais pessoas lhe observam, melhor é a sua posição no ranking.

O espectador é levado a conhecer toda a adrenalina da competição conforme Vee vai aceitando os desafios, desde os mais ingênuos até os que podem colocar sua vida em risco. Aquela menina considerada fraca por alguns, mostra seu lado aventureiro e inconsequente de forma rápida e que leva seus poucos amigos à preocupação.

A exposição ao extremo, a necessidade de ser visto e a troca da vida real pela virtual são pontos marcantes nesta história e eu acredito que em alguns momentos farão com que reflita sobre algumas situações que você ou pessoas ao seu redor vivem.

Alguns dramas adolescentes, um tanto quanto clichês, aparecerão neste filme, mas nem por isso ele se torna menos impactante e interessante. Ignore o romance ou a briga entre amigas em busca de atenção, se isso lhe incomodar, mas não deixe de assistir ao longa que tem tudo para lhe mostrar uma realidade que talvez você ignore.








Sinopse: É o aniversário de Graham, e sua esposa, Cynthia, convida os vizinhos, Anne e Marco Conti, para um jantar. Marco acha que isso será bom para a esposa; afinal, ela quase nunca sai de casa desde o nascimento de Cora e da depressão pós-parto. Porém, Cynthia pediu que não levassem a filha. Ela simplesmente não suporta crianças chorando. Marco garante que a bebê vai ficar bem dormindo em seu berço. Afinal, eles moram na casa ao lado. Podem levar a babá eletrônica e se revezar para dar uma olhada na filha. Tudo vai dar certo. Porém, ao voltarem para a casa, a porta da frente está aberta; Cora desapareceu. Logo o rapto da filha faz Anne e Marco se envolverem em uma teia de mentiras, que traz à tona segredos aterradores.
Autor(a): Shari Lapena | Editora: Record | Páginas: 294 | Ano de lançamento: 2017

Eis um livro que elevou minhas expectativas ao ponto de eu não conseguir controlar a ansiedade, largar tudo o que estava fazendo e finalmente lê-lo. Em poucas horas a leitura estava concluída e eu com cara de surpresa.

Nesta história o leitor será envolvido pelo drama de Anne e Marco, pais amorosos de uma menina linda, mas que por um descuido acabaram colocando tudo a perder ao concordarem em deixar sua filha sozinha enquanto iam na casa ao lado. 

Ok, você pode estar pensando que foram irresponsáveis, e eu concordo com você, mas este é um dos pontos importantes desta trama. Como pais tão cuidadosos deixaram um bebê, que nem sabe caminhar ainda, sozinho em casa? E como a criança desapareceu sem que ninguém percebesse? Procure as respostas e reflita sobre o que deve ter acontecido naquela noite.

Há muito mais do que se imagina por trás do desaparecimento da menina. Os mais acostumados com livros deste gênero poderão desvendar alguns mistérios antes do final, mas ainda assim aconselho a não desanimarem, pois há detalhes interessantes que serão desvendados apenas no decorrer da leitura e o final com certeza será surpreendente.

Caso você não seja o tipo de leitor ao estilo Sherlock, então prepare-se para ser surpreendido a cada nova página, pois a trama bem construída lhe levará a descobertas que poderão lhe chocar e deixá-lo incrédulo, podendo começar a entender que realmente as pessoas são capazes de qualquer coisa.

Através de uma narrativa ágil, onde a leitura flui de uma forma tão intensa que dificilmente deixará o leitor entediado, a autora conseguiu construir uma história onde todos os fatos se encaixam e cada personagem se mostra importante, nem mesmo a babá que desmarcou em cima da hora deixará de ser necessária para o entendimento do que aconteceu naquela noite.

Com certeza este é um livro que eu indico para todos que gostam de testar sua imaginação e se deixam envolver por uma história bem desenvolvida.

Sinopse: Em uma cidade decadente, onde se criam polvos para a produção de tinta, onde há uma floresta de algas marinhas e onde um dia funcionou uma redação de jornal em um farol, um jovem Lemony Snicket começa o seu aprendizado em uma organização misteriosa. Ele vai atender seu primeiro cliente e tentar solucionar o seu primeiro crime, aos comandos de uma tutora que chama carro de “esportivo” e assina bilhetes secretos. Lá, ele vai cair na árvore errada, vai entrar no portão errado, destruir a biblioteca errada, e encontrar as respostas erradas para as perguntas erradas - que nunca deveriam ter passado pela cabeça dele. 
Autor(a): Lemony Snicket | Editora: Seguinte | Compre aqui: Livraria Cultura,  Americanas, SaraivaAmazon


Este é o primeiro livro desta nova (nem tão nova assim) série de Lemony Snicket. Não, você não está enganado, este é o mesmo autor de Desventuras em Série e assim como na famosa saga dos Baudelaire, Lemony se mostra envolvido pela história, mas desta vez ele é o próprio protagonista.



O jovem protagonista, de apenas 13 anos, acaba de se formar e escolheu a última tutora de sua lista. Vale a pena avisar que existe um motivo para ela ser a última da lista, Theodora não é lá muito boa em seu trabalho, mas há um bom motivo para ele ter escolhido ser aprendiz desta "detetive" fraquinha. As perguntas podem até serem erradas, mas o resultado é surpreendente.

O primeiro trabalho dos dois envolve o mistério sobre o desaparecimento de uma estatueta. Ambos são contratados para encontrar tal artefato que misteriosamente sumiu, porém no decorrer da trama Lemony vai percebendo que não é apenas um furto, mas que há algo mais complexo por trás de toda a situação, ou melhor, nada foi roubado! Ficou confuso? Bom, então prepare-se para acompanhar Snicket nesta jornada.



As perguntas erradas fazem parte desta trama, mas o importante é encontrar as respostas certas e isto o protagonista tira de letra. Ao longo da leitura você pode até pensar que algumas informações não se conectam, mas lembre de fazer as perguntas certas, se ainda assim você não conseguir desvendar o mistério sozinho, continue lendo!

Este livro segue a mesma linha de Desventuras em Série no quesito escrita. O autor continua descrevendo as situações de forma simples, envolvente e divertida. Por vezes o leitor será surpreendido por momentos interessantes que lhe mostrarão que não se deve menosprezar a imaginação de uma criança/adolescente, eles são mais capazes de desvendar um mistério do que muitos adultos presos em seus próprios mundinhos.

Há uma leve crítica à sociedade nestas páginas, nada que vá fazer com que você levante da cadeira e inicie uma revolução, mas provavelmente lhe fará pensar "pô, é assim mesmo".

Enfim, se você busca uma leitura rápida, divertida e que possui alguns mistérios a serem desvendados, então aproxime-se do Lemony e leia esse livro!